Os gueis na Ditadura Civil-Militar brasileira: resistências

Autores

  • Eduardo Alberto de Almeida Universidade Federal de Santa Maria

Palavras-chave:

Relações Sociais de Dominação e Resistência, Cultura e Representações

Resumo

O movimento guei era diferente nos anos 1970 e 1980. Já não é fácil assumir-se homossexual, travesti, transexual nos dias atuais, imagine então nos anos de Ditadura Civil-Militar; essa era uma tarefa para os bravos e destemidos, e, então, a preferência era pela vida nos guetos, na chamada subcultura, escondidos entre os seus, à uma ínfima distância da sociedade homofóbica que os esperava. Veremos ao longo do texto uma discussão sobre o contexto social onde esses sujeitos estavam inseridos, a criação do jornal Lampião da Esquina e a importância e atuação dele para com o nascente Movimento Guei, bem como a resistência destes sujeitos perante a repressão imposta pela sociedade e o governo neste período conturbado e violento. Através de uma síntese, entendermos um pedaço relegado da história.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Alberto de Almeida, Universidade Federal de Santa Maria

Graduado em Licenciatura Plena em História (UFSM), Mestrando em História (UFSM), bolsista CAPES.

Downloads

Publicado

2019-08-14

Como Citar

ALMEIDA, E. A. de. Os gueis na Ditadura Civil-Militar brasileira: resistências. Revista Aedos, [S. l.], v. 11, n. 24, p. 62–79, 2019. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/aedos/article/view/92975. Acesso em: 5 jul. 2022.