A envenenadora: crime e gênero na literatura popular no Rio de Janeiro (início do século XX)

Autores

  • Amanda Ribeiro Mafra Lima Universidade Federal de Ouro Preto

Palavras-chave:

Cultura e representações

Resumo

Este artigo propõe-se a analisar o romance A envenenadora, de Maxime Villemer (Anne Violet), ficção de crime que alcançou grande popularidade na sociedade carioca no início do século XX. A análise detém-se às representações de crimes perpetrados por mulheres presentes na obra, apresentando os diálogos que a narrativa estabelece com as concepções fundantes do direito moderno e com as definições de sexo/gênero de seu contexto de produção e circulação. Apresentando perspectivas distintas às apregoadas pela ordem jurídica, o romance apresenta a violência do indivíduo como uma nova possibilidade de atuação feminina e um instrumento de defesa ante uma realidade social desigual entre homens e mulheres. A partir dos atos violentos da protagonista, o romance apresenta-nos a violência própria à construção da identidade do gênero feminino que, por ser expressa e regulada por leis culturais e jurídicas, pode ser compreendida como uma violência do direito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-09-11

Como Citar

LIMA, A. R. M. A envenenadora: crime e gênero na literatura popular no Rio de Janeiro (início do século XX). Revista Aedos, [S. l.], v. 10, n. 22, p. 184–198, 2018. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/aedos/article/view/73670. Acesso em: 28 nov. 2022.