“Um legítimo homicídio emocional”: a Justiça e o crime “passional” no Brasil dos anos 1950

Autores

  • Kety Carla De March Universidade Estadual do Centro-Oeste - Unicentro

Palavras-chave:

discurso jurídico, crime, masculinidades

Resumo

A sedução dramática do crime “passional” percorria as páginas literárias, alcançava a mídia, se reproduzia nas falas de acusados e testemunhas em processos criminais e atingia os discursos dos legisladores no Brasil dos anos 1950. Esse espaço de produção da aceitação social para a violência, legitimada pelo ciúme e pela honra, foi amplamente discutido pelos juristas do período, buscando o limite entre paixão e loucura, entre aceitável e inaceitável. Numa sociedade baseada nas assimetrias de gênero e na construção de masculinidades que se afirmavam pela violência, buscamos, a partir da análise de textos de juristas brasileiros e processos criminais instaurados no Estado do Paraná, compreender a extensão dos debates dos juristas a respeito dos chamados crimes passionais ou por violenta emoção e como, na prática, eram produzidos discursos a esse respeito no interior das peças processuais que julgavam homens acusados pela morte das companheiras. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kety Carla De March, Universidade Estadual do Centro-Oeste - Unicentro

Doutora em História pela Universidade Federal do Paraná. Professora Colaboradora do Departamento de História da Universidade Estadual do Centro-Oeste - Unicentro.

Downloads

Publicado

2017-08-27

Como Citar

DE MARCH, K. C. “Um legítimo homicídio emocional”: a Justiça e o crime “passional” no Brasil dos anos 1950. Revista Aedos, [S. l.], v. 9, n. 20, p. 55–80, 2017. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/aedos/article/view/72537. Acesso em: 3 jul. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático