ST 10. Emancipações e Pós-Abolição: Experiências negras de cidadania e liberdade no Brasil

Autores

  • Greice Adriana Neves Macedo Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Nathália Ketlen Dias Oliveira Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Vinícius Reis Furini Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Resumo

O Simpósio Temático pretende agrupar trabalhos de pesquisadores/as com formações diversas (graduandos/as, pós-graduandos/as, mestres/as, doutores/as) e demais interessados/as pelos estudos do Pós-Abolição. Ana Maria Rios e Hebe Mattos, em importante artigo para o campo de estudos, criticam as análises historiográficas que até a década de 1990 enfatizavam apenas a marginalização dos libertos no mercado de trabalho no pós-abolição. Assim, o pós-abolição como questão específica, destacam Rios e Mattos, “se diluía na discussão sobre o que fazer com o ‘povo brasileiro’ e a famosa ‘questão social’” (RIOS; MATTOS, 2004, p. 170). A mudança significativa de cenário ocorreria no decorrer dos anos seguintes com tendo sido constituído no XXVII Simpósio Nacional de História da Anpuh (Natal, 2013), o Grupo de Trabalho Nacional Emancipações e Pós-Abolição. O manifesto de fundação do GT Emancipações e Pós-Abolição salienta que se a década de 1980 representou um marco para a historiografia da escravidão, os anos 2000 foram decisivos para a configuração e consolidação da historiográfica do pós-abolição, uma vez que os últimos anos assistiram a publicação de livros, realização de encontros nacionais e internacionais e a formação de grupos de pesquisa nas diversas regiões do país. O estudo das sociedades pós-emancipação, conforme Frederick Cooper, Thomas Holt e Rebecca Scott em obra fundamental para a constituição do campo de pesquisa, afirmam que este não se trata apenas de uma questão temporal, mas também espacial e conceitual (COOPER; HOLT; SCOTT, 2005, p. 42-43). O que está “além da escravidão”, conforme apontam os autores, é um campo de disputas de longa duração. Ana Maria Rios e Hebe Mattos observam o campo aberto para os estudos do pós- abolição, passando a incluir uma variedade de preocupações como o papel do Estado, dos ex-senhores, as condições sociais do trabalho escravizado às vésperas do término da escravidão. Além disso, permite também investigar a recontextualização dos conceitos de cidadania e liberdade e seus significados para diferentes sujeitos sociais (RIOS; MATTOS, 2004, p. 172). O presente ST pretende abrigar uma diversidade de comunicações que trabalham com os seguintes temas: o pós-abolição como problema histórico e historiográfico; experiências negras de cidadania e liberdade; significados da liberdade; racialização das relações sociais; trabalho livre e escravizado; biografias e trajetórias; associativismo e imprensa negra; intelectuais negros (as); cultura e religiosidade; territórios negros urbanos; campesinato negro; atuação política e resistência negra na ditadura civil-militar; análise interseccional sobre o pós-abolição.

Coordenadoras(es):
Greice Adriana Neves Macedo (Doutoranda PPGH – UFRGS)
Nathália Ketlen Dias Oliveira (Mestranda PPGH – UFRGS)
Vinícius Reis Furini (Mestrando PPGH – UFRGS)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-01-28

Como Citar

MACEDO, G. A. N.; OLIVEIRA, N. K. D.; FURINI, V. R. ST 10. Emancipações e Pós-Abolição: Experiências negras de cidadania e liberdade no Brasil. Revista Aedos, [S. l.], v. 13, n. 29, p. 450–492, 2022. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/aedos/article/view/121750. Acesso em: 30 jun. 2022.