O 20 de Novembro (1971-2021) e a emergência de uma data afro-brasileira: da Princesa a Zumbi

Autores

Palavras-chave:

Cultura e Representações, Relações Sociais de Dominação e Resistência

Resumo

O 20 de Novembro, definido como Dia da Consciência Negra no Brasil pela Lei Federal nº 12.519/2011, foi lançado pelo Grupo Palmares de Porto Alegre/RS, em 1971. Adotado pelo Movimento Negro em 1978, a data ganhou dimensão nacional e tornou-se um referencial na luta de negras e negros contra o racismo e as injustiças sociais. Dedicado ao contexto de idealização deste marco afro-brasileiro, este artigo pretende apresentar alguns dos referenciais históricos mobilizados pelo Grupo Palmares para a elevação da data, como o quilombo e a figura de Zumbi, as justificativas dos seus militantes no sentido de suplantar o “13 de maio”, associado à imagem de uma Princesa Isabel sacralizada, e apontar alguns elementos acerca da consolidação do 20 de Novembro entre a intelectualidade negra brasileira e o Movimento Negro contemporâneo. Esses passos iniciais tiveram como resultado a ampliação do espaço da data no campo das representações nacionais, no ano de celebração do seu cinquentenário, em 2021.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Augusto Zorzi, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Downloads

Publicado

2022-05-16

Como Citar

ZORZI, J. A. O 20 de Novembro (1971-2021) e a emergência de uma data afro-brasileira: da Princesa a Zumbi. Revista Aedos, [S. l.], v. 14, n. 31, p. 111–132, 2022. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/aedos/article/view/119667. Acesso em: 4 jul. 2022.