O fim do tráfico e a organização do trabalho nas charqueadas pelotenses: ofícios e avaliação dos escravos arrolados nos inventários de charqueadores

Autores

  • Bruno Stelmach Pessi UFRGS

Palavras-chave:

Charqueadas, Escravidão, Trabalho escravo,

Resumo

A comunicação pretende discutir a organização do trabalho escravo nas charqueadas de Pelotas na segunda metade do século XIX analisando os ofícios e a avaliação dos escravos arrolados nos inventários de charqueadores. Com base em dados extraídos de inventários de charqueadores, procuramos uma análise comparativa entre dois períodos: um no qual o tráfico transatlântico de escravos era a principal fonte de trabalhadores e outro onde a crise de mão-de-obra causada pelo fim desse tráfico implicou na tomada de medidas racionalizantes por parte dos charqueadores para o prosseguimento da produção escrava. Através da descrição de ofícios e dos valores da avaliação dos cativos nos inventários dos charqueadores procuramos debater questões referentes à possibilidade de organização do trabalho em uma empresa escravista e de especialização do trabalho escravo no período proposto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Stelmach Pessi, UFRGS


Downloads

Publicado

2009-12-19

Como Citar

PESSI, B. S. O fim do tráfico e a organização do trabalho nas charqueadas pelotenses: ofícios e avaliação dos escravos arrolados nos inventários de charqueadores. Revista Aedos, [S. l.], v. 2, n. 4, 2009. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/aedos/article/view/11190. Acesso em: 7 jul. 2022.