Tempo de Lembrar: As Memórias dos Portadores de Lepra sobre o Isolamento Compulsório

Autores

  • Keila Auxiliadora Carvalho Universidade Federal Fluminense

Palavras-chave:

Lepra, Isolamento, História Oral, Memória

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir as contribuições da História Oral para a compreensão do processo de construção da memória das pessoas atingias pela política de isolamento compulsório dos “leprosos”. Particularmente, tratamos dos ex-internos da Colônia Santa Izabel situada em Minas Gerais. A partir da metodologia de História Oral, e da atenção às questões referentes à problemática da memória, pretendemos entender como estes indivíduos atingidos pela lepra, ao serem retirados da sociedade, conseguiram reconstruir sua “identidade” dentro do leprosário. Sendo assim, procuramos indicar as possibilidades oferecidas por esta metodologia, bem como elucidar certos preceitos básicos que envolvem o trabalho com fontes orais. Em primeiro lugar, é preciso entender que a perspectiva de que os relatos contidos nos depoimentos são a expressão da “verdade” e a “reconstituição” dos fatos, deve ser categoricamente recusada. Em seguida, deve-se considerar que a entrevista de história oral é uma construção teórica, e não meramente um procedimento técnico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Keila Auxiliadora Carvalho, Universidade Federal Fluminense

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense. Bolsista CAPES. Mestre em História pela Universidade Federal de Juiz de Fora.

Downloads

Publicado

2009-07-23

Como Citar

CARVALHO, K. A. Tempo de Lembrar: As Memórias dos Portadores de Lepra sobre o Isolamento Compulsório. Revista Aedos, [S. l.], v. 2, n. 3, 2009. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/aedos/article/view/10592. Acesso em: 29 jun. 2022.