A História que queremos: uma proposta de ensino de História para as redes sociais

Autores

  • Bruno Belloc Nunes Schlatter Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Palavras-chave:

ensino de História, passado prático, redes sociais.

Resumo

o trabalho propõe o uso das redes sociais na aula de História, a partir de páginas em que os alunos devem fazer postagens opinativas periódicas relacionando o conteúdo estudado em aula com a sua realidade e experiências pessoais. Teoricamente, o trabalho se apoia no conceito de protagonismo dos estudantes, articulado com a noção de passado prático, enxergando a realidade não somente como um ponto de partida para se chegar ao conhecimento histórico, mas sim como um ponto de chegada, em que os conceitos e temas desenvolvidos no estudo do passado ajudem a compreender e realizar uma leitura crítica da realidade presente. O que se observou é que o recurso à rede social promove um maior engajamento dos alunos, e um fortalecimento do sentimento de protagonismo e agência sobre a sua realidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Belloc Nunes Schlatter, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Mestre em Ensino de História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com a dissertação A História que queremos: ensino de História, protagonismo e passado prático nas redes sociais; e especialista em História do Brasil Contemporâneo pelas Faculdade Porto-Alegrense (FAPA). É professor de História da Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre desde 2012.

Downloads

Publicado

2020-08-13

Como Citar

SCHLATTER, B. B. N. A História que queremos: uma proposta de ensino de História para as redes sociais. Revista Aedos, [S. l.], v. 12, n. 26, p. 219–236, 2020. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/aedos/article/view/104256. Acesso em: 13 ago. 2022.