AVALIAÇÃO DAS FUNÇÕES COGNITIVAS, QUALIDADE DE SONO, TEMPO DE REAÇÃO E RISCO DE QUEDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

Autores

  • Daianne Gonçalves Grupo de Pesquisa em Fisiologia Humana (GPFIs), Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)
  • Caroline Altermann Grupo de Pesquisa em Fisiologia Humana (GPFIs), Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)
  • Aline Vieira Grupo de Pesquisa em Fisiologia Humana (GPFIs), Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)
  • Ana Paula Machado Grupo de Pesquisa em Fisiologia Humana (GPFIs), Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)
  • Rachel Fernandes Grupo de Pesquisa em Fisiologia Humana (GPFIs), Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)
  • Andressa Oliveira Grupo de Pesquisa em Fisiologia Humana (GPFIs), Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)
  • Pâmela Billig Mello-Carpes Universidade Federal do Pampa, UNIPAMPA

DOI:

https://doi.org/10.22456/2316-2171.26009

Palavras-chave:

Envelhecimento, Institucionalização, Quedas, Cognição, Sono

Resumo

O processo de envelhecimento é acompanhado por uma série de alterações psicossociais e biológicas, dentre as quais está incluído o declínio cognitivo. Dependendo das condições genéticas, estilo de vida, atividades e interações sociais do idoso, o declínio pode ser acelerado ou retardado. O objetivo deste trabalho foi avaliar o perfil cognitivo, o tempo de reação, o risco de quedas e a qualidade do sono de idosos institucionalizados da cidade de Uruguaiana-RS. Foram avaliados 10 idosos de ambos os sexos utilizando como instrumentos o Mini-Exame do Estado Mental (MEEM), a Escala de Depressão Geriátrica (EDG), o Inventário de Ansiedade Traço-Estado, o Teste de Tempo de Reação (TTR), a Escala de Eficácia de Quedas (EEQ) e o Índice de Qualidade de Sono de Pittsburgh (IQSP). Os resultados apontaram a presença de declínio cognitivo em 40% dos idosos, indícios de depressão em 60% deles e tendência ao desenvolvimento de ansiedade. 76% dos idosos classificaram a qualidade de seu sono como boa, mencionando alguns fatores que interferem na mesma, e 64% revelaram haver preocupação ou medo de cair. No TTR os idosos apresentaram escore médio de 2,175 ± 0,32 s. Estes resultados podem estar relacionados ao estilo de vida adotado pela maioria dos idosos institucionalizados, fora do seu convívio familiar, favorecendo seu isolamento e sua inatividade física e mental, gerando declínio da capacidade cognitiva. Nossos resultados demonstram um percentual significativo de risco de demência, depressão e/ou ansiedade nos idosos institucionalizados avaliados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daianne Gonçalves, Grupo de Pesquisa em Fisiologia Humana (GPFIs), Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)

Acadêmica do curso de Fisioterapia

Caroline Altermann, Grupo de Pesquisa em Fisiologia Humana (GPFIs), Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)

Acadêmica do curso de Fisioterapia

Aline Vieira, Grupo de Pesquisa em Fisiologia Humana (GPFIs), Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)

Acadêmica do curso de Farmácia

Ana Paula Machado, Grupo de Pesquisa em Fisiologia Humana (GPFIs), Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)

Acadêmica do curso de Fisioterapia

Rachel Fernandes, Grupo de Pesquisa em Fisiologia Humana (GPFIs), Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)

Acadêmica do curso de Fisioterapia

Andressa Oliveira, Grupo de Pesquisa em Fisiologia Humana (GPFIs), Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)

Acadêmica do curso de Fisioterapia

Pâmela Billig Mello-Carpes, Universidade Federal do Pampa, UNIPAMPA

Fisioterapeuta (UNICRUZ, 2005).

Formação Pedagógica, habilitação anatomia e fisiologia humana (UNICRUZ, 2005).

Mestre em Ciências Biológicas: Fisiologia (UFRGS, 2008).

Doutora em Ciências Biológicas: Fisiologia (UFRGS, 2010).

Pós-doutorado em neurofisiologia (Katholieke Universitiet of Leuven, 2012).

 

Referências

ALONSO, Concepcion Aparicio; ESTEBARANZ, Ana Isabel Mejía. Sleeping difficulties among the elderly. Revista de Enfermeria, Barcelona, Spain, v. 29, n. 3, p. 48-52, Mar. 2006.

ANDREATINI, Roberto; SEABRA, Maria de Lourdes. A estabilidade do IDATE-traço: avaliação após cinco anos. Revista da Associação Brasileira de Psiquiatria - Asociación Psiquiatrica de la America Latina, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 21-25, Jan./Mar. 1993.

ARAÚJO, Claudia Lysia de Oliveira; CEOLIM, Maria Filomena. Qualidade do sono de idosos residentes em instituição de longa permanência. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 44, n. 3, p. 619-626, Set. 2010.

BEUTER, Margrid et al. Sentimentos de familiares acompanhantes de adultos face ao processo de hospitalização. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 134-140, Jan./Mar. 2012.

BINOTTO, Maria Angélica; FARIAS, Sidney Ferreira. A relação entre tempo de reação e o acometimento por quedas em idosas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DO ESPORTE E CONGRESSO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS DO ESPORTE, 16., 2009, Salvador. Anais... Bahia: Set. 2009.

BRASIL. Política Nacional do Idoso, Portaria nº 1.395, de 09 de dezembro de 1999. Brasília: Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 13 dez. 1999. Seção 1, p. 20-24.

BRUCKI, Sonia et al. Sugestões para o uso do mini-exame do estado mental no Brasil. Arquivo de Neuropsiquiatria, São Paulo, v. 61, n. 3B, p. 777-781, Set. 2003.

BUYSSE, Daniel et al. The Pittsburgh sleep quality index: a new instrument for psychiatric practice and research. Psychiatry Research, Amsterdam, v. 28, n. 2, p. 193-213, Mai. 1989.

CHRISTOFOLETTI, Gustavo et al. Risco de quedas em idosos com doença de Parkinson e demência de Alzheimer: um estudo transversal. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 10, n. 4, p. 429-433, Out./Dez. 2006.

CORAZZA, Sara Terezinha; PEREIRA, Érico Felden; DIAS, Jonathan Ache. Creation, development and analysis of reproductiveness of test to evaluate simple and choice reaction times. The FIEP Bulletin, v. 77, n. 1, p. 613-615, 2007.

CORRÊA, Karina; CEOLIM, Maria Filomena. Qualidade do sono

em pacientes idosos com patologias vasculares periféricas. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 42, n. 1, p. 12-18, 2008.

CÔRTES, Guilherme Gomes; GAMA, Júlia de Fátima Ribeiro; DIAS, André Gonçalves. Processamento mental e tempo de reação em mulheres idosas ativas e praticantes de treinamento contra-resistência em comparação com idosas sedentárias e mulheres jovens. Vértices, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 51-60, Jan./Dez. 2007.

COSTA, Shintia Viana da; CEOLIM, Maria Filomena; NERI, Anita Liberalesso. Problemas de sono e suporte social: estudo multicêntrico Fragilidade em Idosos Brasileiros. Revista Latino-Americana de Enfermagem, São Paulo, v. 19, n. 4, p. 1-8, Jul./Ago. 2011.

CRESS, Elaine et al. Physical activity programs and behavior counseling in older adult population. Medicine and Science in Sports and Exercise, Hagerstown, v. 36, n. 11, p. 1997-2003, Out. 2004.

DAVIM, Rejane Marie Barbosa et al. Estudo com idosos de instituições asilares no município de Natal/RN: características socioeconômicas e de saúde. Revista Latino-Americana Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 12, n. 3, p. 518-24, Mai/Jun. 2004.

FARBER, Sonia. Envelhecimento do corpo: noções díspares nas mídias atuais. Revista Comunicação e Sociedade, Portugal, v. 21, p. 123-133, 2012.

FOLSTEIN, Marshal; FOLSTEIN, Susan; McHUGH, Paul. “Mini-Mental State”: a practical method for grading the cognitive state of patients for the clinical. Journal of Psychiatry Research, Philadelphia, v. 12, n. 3, p. 189-198, Nov. 1975.

HAUER, Klaus et al. Validation of the Falls Efficacy Scale and Falls Efficacy Scale International in Geriatric Patients with and without Cognitive Impairment: Results of Self-Report and Interview-Based Questionnaires. Gerontology, Basel, v. 56, n. 2, p. 190-199, Set. 2010.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico 2010: características da população e dos domicílios - resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2011.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

LOPES, Kedma Teixeira et al. Prevalência do medo de cair em uma população de idosos da comunidade e sua correlação com mobilidade, equilíbrio dinâmico, risco e histórico de quedas. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 13, n. 3, p. 223-229, Mai./Jun. 2009.

MENDONÇA, Jurilza Maria Barros de. Instituição de longa permanência para idosos e políticas públicas. Revista Kairós, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 169-190, Dez. 2006.

OMS - Organização Mundial da Saúde. Envelhecimento Ativo: uma Política de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2005.

OLIVEIRA, Beatriz Helena Domingos et al. Relações entre padrão do sono, saúde percebida e variáveis socioeconômicas em uma amostra de idosos residentes na comunidade: Estudo PENSA. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, p. 851-860, Mai. 2010.

QUINHONES, Marcos Schmidt; GOMES, Marleide da Mota. Sono no envelhecimento normal e patológico: aspectos clínicos e fisiopatológicos. Revista Brasileira de Neurologia, Rio de Janeiro, v. 47, n. 1, p. 31-42, Jan./Mar. 2011.

ROSSATO, Luana Callegaro; CONTREIRA, Andressa Ribeiro; CORAZZA, Sara Teresinha. Análise do tempo de reação e do estado cognitivo em idosas praticantes de atividades físicas. Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 54-59, Jan./Mar. 2011.

SCHMIDT, Richard; WRISBERG, Craig. Aprendizagem e performance motora: uma abordagem da aprendizagem baseada no problema. Porto Alegre: Artmed, 2001.

SOUZA, Juliana Nery de; CHAVES, Eliane Corrêa. O efeito do exercício de estimulação da memória em idosos saudáveis. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 39, n. 1, p. 13-19, Mar. 2005.

SPIELBERGER, Charles; GORSUCH, Richard; LUSHENE, Robert. Manual for the Strait-Trait Anxiety Inventory. Consulting Psychologists Press, Palo Alto - CA, 36 p., 1970.

SPIRDUSO, Waneen Wyrick. Dimensões físicas do envelhecimento. São Paulo: Manole, 2005.

STOPPE JÚNIOR, Alberto; JACOB FILHO, Wilson; LOUZA NETO, Mario. Avaliação de depressão em idosos através da Escala de Depressão em Geriátrica: resultados preliminares. Revista da Associação Brasileira de Psiquiatria - Asociación Psiquiatrica de la America Latina, São Paulo, v. 16, n. 4, p. 149-153, Out./Dez. 1994.

TEIXEIRA, Ilka Nicéia D’Aquino Oliveira; NERI, Anita Liberalesso. Envelhecimento bem-sucedido: uma meta no curso da vida. Psicologia USP, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 81-94, Jan./Mar. 2008.

TORRES, Gilson de Vasconcelos et al. Avaliação da capacidade de realização das atividades cotidianas em idosos residentes em domicílio. Revista Baiana, Salvador, v. 33, n. 3, p. 466-475, Jul./Set. 2009.

VALCARENGHI, Rafaela Vivian et al. Alterações na funcionalidade/cognição e depressão em idosos institucionalizados que sofreram quedas. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 24, n. 6, p. 828-833, 2011.

YESAVAGE, Jerome A. et al. Development and validation of a geriatric depression screening scale: a preliminary report. Journal of Psychiatric Research, Great Britain, v. 17, n. 1, p. 37-49, 1983.

ZILLI, Iole; FICCA, Gianluca; SALZARULO, Piero. Factors involved in sleep satisfaction in the elderly. Sleep Medicine, v.10, n. 2, p. 233-239, Fev. 2009.

Downloads

Publicado

2014-08-19

Como Citar

Gonçalves, D., Altermann, C., Vieira, A., Machado, A. P., Fernandes, R., Oliveira, A., & Mello-Carpes, P. B. (2014). AVALIAÇÃO DAS FUNÇÕES COGNITIVAS, QUALIDADE DE SONO, TEMPO DE REAÇÃO E RISCO DE QUEDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. Estudos Interdisciplinares Sobre O Envelhecimento, 19(1). https://doi.org/10.22456/2316-2171.26009

Edição

Seção

Artigos