Minha casa é onde estou: reflexões na arte sobre desconstrução da ideia de lar entre refugiados

Autores

  • Luciane Silva Bucksdricker Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.22456/2179-8001.123765

Palavras-chave:

Refugiados, Lar, Casa, Artes visuais, Imagens

Resumo

Resumo

O artigo traz algumas reflexões sobre como a imigração e a questões dos refugiados é vista e trabalhada por artistas visuais, escritores e cineastas como Luis Camnitzer, Dóris Salcedo e Igiaba Scego. A partir de escritos e impressões dos próprios artistas, tenta pensar como é construída essa cartografia diversa que abarca as inúmeras narrativas desta população em seu entrelaçamento de casas.

 

Abstract

The article brings some reflections on how immigration and the questions about refugees is seen and worked by visual artists, writers and filmmakers such as Luis Camnitzer, Dóris Salcedo and Igiaba Scego. Based on the writings and impressions of the artists themselves, it tries to think about how this diverse cartography is constructed that encompasses the countless narratives of this population in their intertwining of houses.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciane Silva Bucksdricker, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Artista visual e pesquisadora. Possui doutorado (2021) e mestrado (2015) ambos em Artes Visuais pelo PPGAV-UFRGS, com bolsa CAPES com período de doutorado sanduíche no exterior(PSDE) na Universitat Politècnica de València - UPV (2020/Espanha) e bacharelado em Comunicação social-Publicidade Propaganda (1999/PUCRS). Trabalha principalmente com fotografia, instalação e vídeo, pesquisando a casa/lar como território e material para o desenvolvimento de processos artísticos, como extensão do próprio corpo, como invólucro (arquitetura), e lar (psicanálise). Participa de exposições individuais e coletivas, nacionais e internacionais desde 2007.

Referências

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

BERENSTEIN JACQUES, Paola. Apologia da Deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

BUCKSDRICKER, Luciane Silva. A casa secreta: uma cartografia afetiva do espaço doméstico. Tese de doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2021. https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/225409

COUTO, Mia. Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra. São Paulo: Companhia da Letras, 2002.

DOUGLAS, Mary. The idea of a home: a kind of space. Social Research, vol. 58, Nº 1, 1991, pp. 287- 307.

FLUECKINGER, Urs Peter. ¿Cuánta casa necesitamos? Thoreau, Le Corbusier y la cabaña sostenible. Barcelona: Editoria Gustavo Gili: 2019

LICHTENSTEIN, David. Born in exile: There is no place like home. Psychoanalytic Psychology, vol 26, 2009, 451-458. Disponível em: http://psycnet.apa.org/record/2009-22330-008. Acessado em: 15/08/2018.

LIPPARD, Lucy. The lure of the local: senses of place in a multicentered society. New York: The New Press, 1997.

MIGUEL, Jorge Marão Carnielo. Casa e lar: a essência da arquitetura. Arquitextos, São Paulo, ano 03, n. 029.11, Vitruvius, out. 2002. Disponível em: https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/03.029/746. Acesso em 12/10/2010.

PALLASMAA, Juhani. Habitar. São Paulo: Gustavo Gili, 2017.

PALLASMAA, Juhani. A geometria do sentimento: um olhar sobre a fenomenologia da arquitetura. In: NESBITT, Kate (Org). Uma Nova Agenda para a arquitetura: Antologia Teórica 1965-1995. São Paulo: Cosac Naify, 2005.

PALLASMAA, Juhani. A imagem corporificada: Imaginação e imaginário na arquitetura. Porto Alegre: Bookman,2013.

PALLASMAA, Juhani. Os olhos da pele: a arquitetura dos sentidos. Porto Alegre: Bookman, 2013.

RANCIÉRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.

SCEGO, Igiaba. Minha casa é onde estou. São Paulo: Editora Nós, 2018.

SPERBER, Esther. The poetics of home: between psychological and physical structures. In: No place like home (march – june 2018). Museu Coleção Berardo. Catálogo de exposição.

STARACE, Giovanni. Os Objetos e a vida: reflexões sobre as posses, as emoções, a memória. São Paulo: Martins Fontes, 2015.

Catálogos:

CAMNITZER, Luis. Daros Museum, Zurich, 2010. Disponível em: https://daros-latinamerica.net/ebooks/LuisCamnitzer_exhcat/#146 Acesso em 13/11/2020.

Sites:

Doris Salcedo. Depoimento da artista colombiana Doris Salcedo por ocasião da abertura da instalação Shibboleth na Tate Modern em Londres no ano de 2007. Disponível em: https://www.youtube.com/

watch?v=Rbe94YndcQA&feature=emb_rel_end&ab_channel=lalululaTV. Acesso em: 25/04/2021.

Nadine Hattom https://nadinehattom.com/ , https://medium.com/@michaeldooney/interview-nadine-hattom-f28e915cc9be

https://www.thisiscolossal.com/2019/07/teetertotter-wall/

Filmes e documentários:

His house. Direção: Remi Weekes. Reino Unido, 2020. 1h 33min

Human Flow. Direção: Ai weiwei. Disponível em: https://www.humanflow.com/

Arquivos adicionais

Publicado

2022-03-22

Como Citar

Bucksdricker, L. S. . (2022). Minha casa é onde estou: reflexões na arte sobre desconstrução da ideia de lar entre refugiados. PORTO ARTE: Revista De Artes Visuais, 26(46). https://doi.org/10.22456/2179-8001.123765

Edição

Seção

DOSSIÊ: Espaços Maleáveis