O campo da criação na borda entre arte e design

Autores

  • Erika Yamamoto Lee Universidade Federal Paraná

DOI:

https://doi.org/10.22456/2179-8001.118744

Palavras-chave:

Criação, Arte, Fronteira, Design, Deleuze

Resumo

O artigo visa transparecer os conceitos-agentes constituintes que problematizam o campo da criação pela perspectiva estética, parte de noções derivadas do horizonte pós-estruturalista e se desenvolve pelo viés deleuziano inspirado por Espinosa e Nietzsche. Busca elucidar sobre as condições estratégicas que possibilitam articular o jogo da criação como fonte multiplicadora que desvia do contexto limitante do prisma régio. Se a criação na arte é pensada conforme aproximações teórico-filosóficas, cabe ao design transdisciplinar nutrir debate sobre essa temática. Essa contribuição busca ampliar a formação de pesquisadores, incentiva o debate sobre modos de construção e permite associar outras políticas processuais do novo.

Abstract
The article aims to reveal the constituent agent-concepts that problematize the field of creation in aesthetic perspective. Starting from notions derived by post-structuralist horizon and developing through the Deleuzian reasoning, inspired by Spinoza and Nietzsche. It seeks to elucidate the strategic conditions that make it possible to articulate the set of creation as a multiplying source that deviates from the limiting context of the main science. If creation in art is thought of according to theoretical-philosophical approaches, it is guide to transdisciplinary design to feed debate on this theme. This contribution seeks to broaden the critical knowledge of researchers, encourages thinking on construction methods and allows for the association of other procedural policies of the new.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Erika Yamamoto Lee, Universidade Federal Paraná

Doutora em Design de Sistemas da Informação (UFPR). Mestre em Artes Visuais (UDESC). Especialista em História da Arte Contemporânea (EMBAP). Graduação em Design (UTP).

Referências

ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2007. 1015 p.

ALCÂNTARA, S. B. C. O que pode um corpo? Espinosa e Deleuze, o desejo como produção. Profanações. v. 6, n. 1., p. 220 – 237. 2019. Disponível em: < http://www.periodicos.unc.br/index.php/prof/article/view/2437>. Acesso em 23 ago 2021.

AZARA, M. M. F. O animal no humano. Revista internacional de humanidades. v. 2, n. 2, p. 59 – 63. 2013. Disponível em: https://journals.eagora.org/revHUMAN/article/view/707/277. Acesso em 03 set 2021.

BEDORE, R.; BECCARI, M. N. Aisthesis: uma breve introdução à estética dos afetos. GEARTE, v. 4, n. 3, 2017. p. 487 – 498. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/gearte/article/view/74040. Acesso em 01 dez 2020.

BECCARI, M. N.; PORTUGAL, D. B.; PADOVANI, S. Seis eixos para uma filosofia. Estudos em design, Rio de Janeiro, v. 25, n. 1, p. 13 – 32. 2015. Disponível em: https://estudosemdesign.emnuvens.com.br/design/article/view/432/262. Acesso em 01 dez de 2020.

BOANOVA, C. O.; SANTOS, J. V. Cartografia da criação no design: a partir de encontros com as filosofias da diferença. UD17. Design research in face of current challenges to knowledge. Sixth annual forum on doctoral design research. 2017. University of Porto, Portugal. p. 20 – 26.

BRYMAN, A. Social research methods. 5th edition. United Kingdom: Oxford University Press, 2016.

CHEREM, R. M. Imagem – acontecimento. In: SILVA, M. C. R. F.; MAKOWIECKY, S. (orgs). Linhas cruzadas: artes visuais em debate. CEART/PPGAV. UDESC. Florianópolis – SC, 2009. p. 131 – 156.

CONFORTO, E. C. et al. Roteiro para revisão bibliográfica sistemática: aplicação no desenvolvimento de produtos e gerenciamento de projetos. Anais do 8º. congresso brasileiro de gestão de desenvolvimento de produto – CBGDP. Porto Alegre: IGDP, 2011. p. 1 – 12. Disponível em: < https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2205710/mod_resource/content/1/Roteiro%20para%20revisão%20bibliográfica%20sistemática.pdf>. Acesso em 21 set 2021.

CROSS, N. (ed). Designerly ways of kwowing. Springer – verlag, London, 2006.

DELEUZE, G. A ilha deserta. 3ª Ed. São Paulo: Iluminuras, 2010.

DELEUZE, G. Diferença e repetição. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Graal, 2009.

DELEUZE, G. Espinosa, filosofia prática. São Paulo: Escuta, 2002.

DELEUZE, G. Francis Bacon: lógica da sensação. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

DELEUZE, G; F. GUATTARI. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 1. 6ª reimpressão. Rio de Janeiro: 34, 2009.

DELEUZE, G.; F. GUATARI. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 2. 2ª edição. Rio de Janeiro: 34, 2011.

DELEUZE, G.; F. GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrênia. Vol. 3. 4ª reimpressão. Rio de Janeiro: 34, 2008a.

DELEUZE, G.; F. GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrênia. Vol. 4. 4ª reimpressão. Rio de Janeiro: 34, 2008b.

DELEUZE, G.; F. GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrênia. Vol. 5. 4ª reimpressão. Rio de Janeiro: 34, 2008c.

DELEUZE, G. Lógica do sentido. 4ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2007.

DELEUZE, G.; F. GUATTARI, F. O anti – édipo. 1ª ed. Rio de Janeiro: 34, 2010.

DELEUZE, G.; F. GUATTARI, F. O que é a filosofia? 3ª ed. Rio de Janeiro: 34, 2010.

DERRIDA, J. A escritura e a diferença. 4ª Ed. São Paulo: Perspectiva, 2011.

DRESCH, A. et al. Design Science Research. Método de pesquisa para avanço da ciência e tecnologia. São Paulo: Bookman, 2015.

FERREIRA, J. P. G. Máquina de guerra e aparelho de estado: a geo-filosofia em mil platôs. Reflexões: revista de filosofia. v. 11, n. 21. p. 353 – 371. 2014. Disponível em: https://revistareflexoes.com.br/artigos/maquina-de-guerra-e-aparelho-de-estado-a-geo-filosofia-de-deleuze-e-guattari-em-mil-platos/.Acesso em 09 set 2021.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 29ª reimpressão. Rio de Janeiro: Graal, 2011.

FRY, T. Reconstruções: ecologia, design, filosofia. São Paulo: EDUSP, 2009.

GERO, J. S. Research methods for design science research: computacional and cognitive approaches. Sydney, 2000.

HEUSER, E. M. D. História da filosofia: escola de intimidação ou de criação? IN: VIII Simpósio sul-brasileiro sobre o ensino da filosofia, formação docente e cidadania., 14 de mai. 2008, Caxias do sul, RS. Anais. p. 1 – 11. Disponível em: < https://www.ucs.br/ucs/tplCongressoFilosofia/extensao/agenda/eventos/cd_60/comunicacoes_cientificas/apresentacao/formacao/ester.pdf>. Acesso em 30 ago 2021.

JAUSS, H. R. O prazer estético e as experiências fundamentais da poiesis, aisthesis e katharsis. In: LIMA, L. C. (Coord.) A literatura e o leitor: textos de estética da recepção. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1979.

KASTRUP, V. A invenção de si e do mundo: uma introdução do tempo e do coletivo no estudo da cognição. Tese (Doutorado em Psicologia Clínica) – Setor de Psicologia, Pontífica Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1997. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/15781. Acesso em 17 jul 2021.

MACHADO, R. Deleuze, a arte e a filosofia. 2ª reimpressão. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

MARENKO, B.; BRASSETT, J. Deleuze and design. Deleuze connections. Croydon, G. B.: Edinburgh University Press Ltd, 2015.

LEMOS, S. M. Máquinas sonoras-afectivas: biosfera e tecnosfera. 2015. 272 f. Tese (Doutorado em Artes) – Setor de Artes, Universidade de Brasília, Brasília, 2015. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/19171?mode=full. Acesso em 15 jul de 2021.

MONEGALHA, F. O tempo do sentido: cronos e aion no pensamento deleuziano. Manguezal. v. 2, n. 2. p. 88 – 95. 2018. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/omanguezal/article/view/9411. Acesso em 09 set 2021.

NAJAR, R. Perspectivas epistemológicas e design. uma abordagem pós-estruturalista. Estudos em design. v. 27, n. 1, p. 149 – 160. 2019. Disponível em: < https://estudosemdesign.emnuvens.com.br/design/article/view/678>. Acesso em 24 ago 2021.

NIETZSCHE, F. Crepúsculo dos ídolos: ou como se filosofa com o martelo. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

NIETZSCHE, F. A vontade de poder. 1ª reimpressão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2011.

QUEIROZ, M. A. M. Inteligência arquitetônica: o ato de criação do projeto revisto através de uma cognição inventiva. 2013. 220 f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) Setor de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2013. Disponível em: https://ppgau.ufba.br/sites/ppgau.ufba.br/files/inteligencia_arquitetonica_marcos_queiroz_2013.pdf. Acesso em 03 set de 2021.

RIBEIRO, C. R. O agenciamento Deleuze-Guattari: considerações sobre método de pesquisa e formação de pesquisadores em educação. Educação Unisinos. São Leopoldo – RS, v. 20, n. 1, p. 68 – 75, 2016. Disponível em: <http://revistas.unisinos.br/index.php/educacao/article/view/edu.2016.201.07>. Acesso em 01 dez 2020.

SANTOS, R. M. S. et al. Processos Pedagógicos Musicais, Corporeidade, Tecnologias e Criação: Desafios Contemporâneos e Demandas de Um Projeto Social. Anais FLADEM. p. 747 – 755. 2015. Disponível em: <https://www.academia.edu/40602640/Processos_pedagógicos_musicais_corporeidade_tecnologias_e_criação_desafios_contemporâneos_e_demandas_de_um_projeto_social?auto=citations&from=cover_page>. Acesso em 15 set 2021.

SILVEIRA, D. T.; CÓRDOVA, F. P. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

WESTRUP, B. F. et al. Rizoma e educação: Giles Deleuze e Félix Guatari, contribuições junto a educação. In: MONTEIRO, S. A. S. (org.). Filosofia política, educação, direito, e sociedade 4. Ed. Atena. 2019. p. 278 – 281.

VASSÃO, C. A. Metadesign. Ferramentas, estratégias e ética para a complexidade. 3ª reimpressão. São Paulo: Blucher, 2020.

VIEGAS, S. Deleuze, leitor de Espinosa: automatismo espiritual e fascismo no cinema. Kriterion: revista de filosofia. v. 55, n. 129, p. 363 – 378. 2014.

ZORDAN, P. Criação na perspectiva da diferença. LAV – Revista digital do laboratório de artes visuais. Santa Maria – RS, v. 1, n. 5, p. 1 – 11, 2010. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/revislav/article/view/2135>. Acesso em: 01 dez 2020.

Arquivos adicionais

Publicado

2021-12-22

Como Citar

Lee, E. Y. (2021). O campo da criação na borda entre arte e design. PORTO ARTE: Revista De Artes Visuais, 26(46), 27. https://doi.org/10.22456/2179-8001.118744

Edição

Seção

Artigo e Ensaio | Article and Essay