Geologia da associação metamáfica-ultramáfica da região de Arroio Grande, sudeste do Escudo Sul-rio-grandense

Autores

  • Rodrigo C. RAMOS Programa de Pós-Graduação em Geociências, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
  • Edinei KOESTER Departamento de Geologia, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

DOI:

https://doi.org/10.22456/1807-9806.78030

Palavras-chave:

anfibolitos, metaultramáficas, Arroio Grande, Escudo Sul-rio-grandense.

Resumo

No Rio Grande do Sul são reconhecidas e descritas diversas ocorrências de rochas ultramáficas nas porções central e ocidental do Escudo Sul-rio-grandense. No entanto, para a porção oriental, nenhum trabalho de cunho científico fez referência a esse tipo de litologia até o momento. No presente artigo é apresentado o estudo de uma associação de rochas máficas e ultramáficas metamorfizadas, localizada no extremo sul da por- ção oriental do Escudo, nas proximidades do município de Arroio Grande. Através das investigações de campo realizadas nessa área em conjunto com petrografia, microscopia eletrônica de varredura e difratometria de raios-X foram identificados anfibolitos à base de hornblenda, plagioclásio e epidoto, e serpentinitos cromíferos e seus produtos metassomáticos (tremolititos, clorititos e talco xistos). Foram caracterizadas paragêneses de fácies anfibolito tanto para os epidoto anfibolitos como para os metassomatitos. A associação de rochas de Arroio Grande foi interpretada como fragmentos de um antigo assoalho oceânico obductado durante o fechamento de um paleo-oceano no Neoproterozoico, pela possível colisão das paleoplacas Kalahari e Río de La Plata nos estágios finais da amalgamação do paleocontinente Gondwana Ocidental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2014-04-27

Como Citar

RAMOS, R. C., & KOESTER, E. (2014). Geologia da associação metamáfica-ultramáfica da região de Arroio Grande, sudeste do Escudo Sul-rio-grandense. Pesquisas Em Geociências, 41(1), 25–38. https://doi.org/10.22456/1807-9806.78030