Ficção e intervalo em Perto Do Coração Selvagem, de Clarice Lispector

Autores

  • Ana Maria Ferreira Torres Universidade Federal do Pará
  • Antônio Máximo Gomes Ferraz Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.22456/1981-4526.75810

Palavras-chave:

Perto do Coração Selvagem, Ficção, Physis

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo investigar como o processo de ficção é percebido como um intervalo entre a personagem Joana e a realidade no romance Perto do Coração Selvagem (1943), de Clarice Lispector. Da infância à fase adulta, a personagem busca investigar a realidade a fim de captar o sentido da coisa – a physis. Para tanto, Joana vive criativamente, questionando a natureza das palavras, fazendo o uso da imaginação e criando pequenas ficções, porém essa atitude provoca um intervalo entre ela e o que ela deseja alcançar. Ainda assim, essa distância surge, no final, como abertura para criatividade. Foi utilizado o método hermenêutico, que prevê a circularidade da interpretação baseada fundamentalmente na leitura do romance investigado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Maria Ferreira Torres, Universidade Federal do Pará

Graduanda em Letras - Habilitação em Língua portuguesa da Universidade Federal do Pará. Pesquisadora do Núcleo Interdisciplinar Kairós - Estudos de Poética e Filosofia.

Antônio Máximo Gomes Ferraz, Universidade Federal do Pará

Doutor em Ciências da Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor Adjunto do Instituto de Letras e Comunicação da Universidade Federal do Pará e do Programa de Pós-Graduação na mesma Universidade. Coordenador do Núcleo Interdisciplinar Kairós - Estudos de Poética e Filosofia.

Downloads

Publicado

2018-07-10

Como Citar

Torres, A. M. F., & Ferraz, A. M. G. (2018). Ficção e intervalo em Perto Do Coração Selvagem, de Clarice Lispector. Nau Literária, 14(1). https://doi.org/10.22456/1981-4526.75810

Edição

Seção

Seção Livre