As cavernas em A caverna: dialética, alegoria e multiplicidade de sentido em José Saramago

Autores

  • Vanessa Cardoso Brandão

DOI:

https://doi.org/10.22456/1981-4526.4878

Resumo

Com base na referência à alegoria da caverna de Platão, o trabalho analisa a obra A caverna, de José Saramago, observando como o autor se apropria desse texto. Para discutir a(s) posição(ões) do autor, é utilizado o conceito de Walter Benjamin, tendo em vista que a construção alegórica configura-se como fundamental na criação da multiplicidade de sentidos na obra. Essa análise procura destacar algumas estratégias textuais articuladas pelo autor em uma estrutura alegórica do romance, tais como o descritivismo, a construção cênica dos espaços narrativos e intertexto com ditos populares, que servem a um questionamento filosófico do lugar do homem na sociedade contemporânea. Assim, a análise busca perceber o projeto empenhado de literatura de Saramago, de uma ficção que se constitui espaço de questionamento do homem no mundo. Palavras-chave: José Saramago; alegoria; dialética; estratégias autorais

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2006-12-10

Como Citar

Brandão, V. C. (2006). As cavernas em A caverna: dialética, alegoria e multiplicidade de sentido em José Saramago. Nau Literária, 2(2). https://doi.org/10.22456/1981-4526.4878

Edição

Seção

Dossiê