Memória e fantasia em <i>O tempo recuperado</i>, de Marcel Proust

Autores

  • Maiquel Röhrig

DOI:

https://doi.org/10.22456/1981-4526.46707

Palavras-chave:

Memória, Psicanálise, Fantasia, Freud, Proust.

Resumo

Este artigo analisa um fragmento de O tempo recuperado, sétimo volume da obra Em busca do tempo perdido, de Marcel Proust. O objetivo é apresentar o conceito de memória criado pelo autor, confrontando-o com definições teóricas da psicanálise e da neurociência, de modo a demonstrar que a realidade é uma projeção da disposição psíquica do narrador. A análise opera com conceitos freudianos e neurocientíficos que tomam a memória como uma ficção, à medida que o passado é modificado por circunstâncias do presente e por perspectivas de futuro. A interpretação investiga o processo criativo do autor na composição de seu personagem-narrador. A primeira parte do artigo apresenta o conceito de memória presente no livro, dando um panorama geral da obra; a segunda, apresenta uma síntese do fragmento, desenvolvendo a questão da memória como deformadora do “real”; a última parte reflete sobre a interpenetração dos tempos passado, presente e futuro, apontando-a como sendo, conforme Marcel, responsável pela revelação de nosso verdadeiro eu.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maiquel Röhrig

Doutor em Literatura Comparada pela UFRGS.

Downloads

Publicado

2014-05-29

Como Citar

Röhrig, M. (2014). Memória e fantasia em &lt;i&gt;O tempo recuperado&lt;/i&gt;, de Marcel Proust. Nau Literária, 10(1). https://doi.org/10.22456/1981-4526.46707