Signos Partidos: uma análise da (des)construção da subjetividade na narrativa de <i>O Quieto Animal da Esquina</i>, de João Gilberto Noll

Autores

  • Fernanda Dusse Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.22456/1981-4526.26846

Palavras-chave:

Literatura contemporânea, João Gilberto Noll, desconstrução

Resumo

A partir das definições de pós-modernidade de autores como Stuart Hall (2006) e Nicolau Sevcenko (1988), busca-se analisar a novela O quieto animal da esquina, de João Gilberto Noll, com foco no desmanche e na desconstrução. Para tanto, conceitos modernistas como flâneur e bildungsroman são apresentados e redefinidos de acordo com a proposta nolliana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Dusse, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Formada em Letras - Licenciatura / Português e Letras - Licenciatura / Inglês pela Universidade Federal de Minas Gerais. Mestranda em Literaturas de Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Downloads

Publicado

2012-10-22

Como Citar

Dusse, F. (2012). Signos Partidos: uma análise da (des)construção da subjetividade na narrativa de &lt;i&gt;O Quieto Animal da Esquina&lt;/i&gt;, de João Gilberto Noll. Nau Literária, 8(1). https://doi.org/10.22456/1981-4526.26846