Desterritorialização, refabulação e a cidade literária em movimento em <i>Coisas que os homens não entendem</i>, de Elvira Vigna

Autores

  • Adelaide Calhman de Miranda Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.22456/1981-4526.26766

Palavras-chave:

Palavras-chave, literatura brasileira contemporânea, espaço urbano e literatura, Elvira Vigna

Resumo

Baseado em conceitos referentes a deslocamentos contemporâneos, este artigo analisa o papel das cidades no romance Coisas que os homens não entendem, de Elvira Vigna. A narrativa mistura os tempos passado e presente, os espaços urbanos de Nova York e do Rio de Janeiro, e as idas e vindas da protagonista entre as duas cidades. Observa-se o privilégio dos percursos aos lugares, e dos processos subjetivos às questões concretas, o que resulta em espaços e sujetividades em movimento. O romance adota recursos da literatura policial, onde a repetição, a memória, a refabulação, e a proliferação das versões da história problematizam o ato de narrar. Assim, as descrições das cidades no romance também variam na medida em que se alteram as percepções e as vivências da protagonista. Os espaços urbanos são representados como cruzamentos de trajetórias, assim como as identidades na contemporaneidade são compostas de teias de diferentes marcadores sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adelaide Calhman de Miranda, Universidade de Brasília

Doutoranda em Literatura e Práticas Sociais pela UnB. Mestre em Teoria Literária pela Universidade de Brasília. Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Brasília.

Downloads

Publicado

2012-10-22

Como Citar

Miranda, A. C. de. (2012). Desterritorialização, refabulação e a cidade literária em movimento em &lt;i&gt;Coisas que os homens não entendem&lt;/i&gt;, de Elvira Vigna. Nau Literária, 8(1). https://doi.org/10.22456/1981-4526.26766