O sujeito pós-colonial na narrativa de Mia Couto

Autores

  • Cristiane Tavares Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS)

DOI:

https://doi.org/10.22456/1981-4526.20618

Palavras-chave:

literatura africana, romance, identidade, Mia Couto.

Resumo

O autor moçambicano Mia Couto, em seu romance Venenos de Deus, remédios do Diabo, representa o confronto e a tensão provocados pelos conflitos resultantes da política colonial. Sendo assim, notamos como a literatura pós-colonial preocupa-se com o peso histórico do colonialismo e com a persistência do projeto colonialista na mentalidade e na ideologia dos sujeitos que vivem em países que antes foram colônia. Este estudo pretende discutir a função da literatura no projeto de construção da identidade nacional africana, bem como analisar os embates identitários entre o sujeito africano e o europeu na obra citada. A partir da análise da presente obra também apontaremos para discussões que dão conta de fenômenos recorrentes em nossa atualidade, a exemplo da desconstrução de identidades cristalizadas pela tradição e o deslocamento do sujeito contemporâneo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Tavares, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS)

Graduada em Letras Vernáculas pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Especialista em Estudos Literários pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) e mestranda do Programa de Pós-graduação em Literatura e Diversidade Cultural (PPLDC) da UEFS.

Downloads

Publicado

2011-09-13

Como Citar

Tavares, C. (2011). O sujeito pós-colonial na narrativa de Mia Couto. Nau Literária, 7(2). https://doi.org/10.22456/1981-4526.20618

Edição

Seção

Dossiê