“Era o meu senso de dignidade gritando”: a supressão dos Direitos Humanos para os sujeitos periféricos em Cidade de Deus, de Paulo Lins, e Os supridores, de José Falero

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/1981-4526.126953

Resumo

O presente artigo debate a efetivação alguns dos direitos fundamentais dos seres humanos nas periferias urbanas brasileiras, como o direito à vida, à segurança, à moradia e ao trabalho, expressos na Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) e na Constituição Federal do Brasil (1988), em tensão com os questionamentos apresentados pela literatura negro-periférica contemporânea produzida no país. O objetivo, assim, é examinar as possibilidades de concretização desses direitos com base em dois textos literários que têm como cenário, tanto ficcional quanto de origem dos autores, as periferias urbanas. Dessa forma, assume-se como objetos os romances Cidade de Deus, de Paulo Lins (2002), e Os Supridores, de José Falero (2020). A hipótese é que ambos os romances podem ser lidos como obras que desdobram os efeitos das negligentes e racistas políticas habitacionais e de segurança pública desenvolvidas nas periferias urbanas brasileiras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-09-05

Como Citar

Thiago Martins Rodrigues. (2022). “Era o meu senso de dignidade gritando”: a supressão dos Direitos Humanos para os sujeitos periféricos em Cidade de Deus, de Paulo Lins, e Os supridores, de José Falero. Nau Literária, 18(1). https://doi.org/10.22456/1981-4526.126953