ENTRE PLAYGROUNDS, PRAÇAS DE JOGOS E JARDINS DE RECREIO: O DEBATE SOBRE A PROVEITOSA OCUPAÇÃO DO TEMPO

Autores

  • Giovanna Camila da Silva Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-8918.92967

Palavras-chave:

História. Instalações esportivas e recreacionais. Associação Cristã de Moços. Atividades de lazer.

Resumo

Este estudo investiga iniciativas relacionadas à construção de playgrounds, de praças de jogos e de jardins de recreio durante as décadas de 1920 e 1930, em experiências educacionais empreendidas no Rio de Janeiro, em Minas Gerais e no Rio Grande do Sul, por sujeitos ligados à Associação Cristã de Moços. A análise das fontes mobilizadas permite indicar que a consideração daqueles lugares como extensão da escola, o entendimento de que eles constituiriam momento privilegiado para dar expansão aos instintos infantis, a compreensão de que as atividades ali desenvolvidas poderiam incorporar códigos para a vida social dos alunos e a preocupação com a boa ocupação do tempo livre compuseram o arranjo argumentativo para a defesa da instalação de tais espaços educativos.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2019-12-24

Como Citar

SILVA, G. C. da. ENTRE PLAYGROUNDS, PRAÇAS DE JOGOS E JARDINS DE RECREIO: O DEBATE SOBRE A PROVEITOSA OCUPAÇÃO DO TEMPO. Movimento, [S. l.], v. 25, p. e25099, 2019. DOI: 10.22456/1982-8918.92967. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/92967. Acesso em: 2 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais