AS REPORTAGENS DAS MÍDIAS ESTRANGEIRAS SOBRE O BRASIL DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS: SOFT POWER, PERIFERIA E DEPENDÊNCIA

Autores

  • Marco Bettine Pesquisador do Instituto dos Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA-USP).
  • Diego Gutierrez Mestre em Ciências – Mudança Social Participação Política (EACH-USP). Universidade de São Paulo (USP)
  • Billy Graeff Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Instituto de Educação. Rio Grande,RS

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-8918.82438

Palavras-chave:

Esportes. Brasil. Soft power. Mídias sociais. Sul Global.

Resumo

Neste artigo, a partir da análise de reportagens de nove jornais estrangeiros publicadas durante a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos realizados no Brasil, discutimos se a categoria soft power pode ser aplicada ao Brasil dos megaeventos esportivos. Consideramos que a categoria não pode ser aplicada em nações periféricas e deve ser repensada para países de economia dependente. Por isso, propomos de maneira embrionária uma redefinição da teoria de soft power. Neste contexto, surge a categoria “soft power heterodoxo”. A partir de tal categoria, consideramos que os jornais analisados retrataram dois países em um mesmo território, um em 2014 e outro em 2016. Levantamos cinco hipóteses para compreender este fenômeno: organização, dimensão, características, logística, desinteresse. Ademais, este estudo evidencia que não há elementos que possam corroborar avanço no soft power do Brasil a partir das Copa do Mundo (2014) e dos Jogos Olímpicos (2016).

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Billy Graeff, Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Instituto de Educação. Rio Grande,RS

Possui graduação em EDUCAÇÃO FÍSICA pela Universidade Federal de Santa Maria (2001) e mestrado em Ciências do Movimento Humano pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2006). Foi temporário da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2004 - 2006), atuando principalmente nos seguintes temas: Futebol. Foi docente da União de Ensino do Sudoeste do Paraná (2007-2009), onde lecionou Sociologia aplicada à Educação Física, Metodologia do ensino da Educação Física, Futsal, Metodologia da pesquisa científica, Didática, e orientou estágios e práticas de ensino. Atualmente (desde 2009) é docente do Instituto de Educação da Universidade Federal do Rio Grande - Curso de Educação Física, no qual leciona as disciplinas de Sociologia do Esporte, Futebol, Estágio I e II, História e organização da Educação Física Brasileira, Esportes, Relações de Trabalho e Futebol de Sete. Atualmente e' estudante de Doutorado na Universidade de Loughborough - Inglaterra (2014-2017).

Publicado

2019-01-06

Como Citar

BETTINE, M.; GUTIERREZ, D.; GRAEFF, B. AS REPORTAGENS DAS MÍDIAS ESTRANGEIRAS SOBRE O BRASIL DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS: SOFT POWER, PERIFERIA E DEPENDÊNCIA. Movimento, [S. l.], v. 24, n. 4, p. 1353–1368, 2019. DOI: 10.22456/1982-8918.82438. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/82438. Acesso em: 1 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos Originais