ESCOLARIZAÇÃO DA SEXUALIDADE: O SILÊNCIO COMO PRÁTICA PEDAGÓGICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA

Autores

  • Aline Silva Nicolino Faculdade de Educação Física e Dança da Universidade Federal de Góias (FEFD/UFG)
  • Marlucy Alves Paraíso Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-8918.72058

Palavras-chave:

Ensino. Sexualidade.Educação Física. Dissertações acadêmicas.

Resumo

O estudo investiga os saberes produzidos sobre a escolarização da sexualidade em teses e dissertações desenvolvidas na área da Educação Física brasileira. Trata-se de identificar o que a área vem produzindo sobre o tema e os efeitos desses saberes no contexto escolar. Para isso, foram lidas todas as produções da área que tratam sobre a sexualidade na escola, concluídas até o ano de 2014. O argumento desenvolvido é o de que a Educação Física entra no contexto escolar pela lógica biológica, valendo-se da ideia de corpo “saudável” para justificar uma educação heteronormativa.A análise mostra que o “não-dito” é uma estratégia eficiente para ensinar sobre a sexualidade, constituindo-se, também, em uma prática pedagógica.

 

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Silva Nicolino, Faculdade de Educação Física e Dança da Universidade Federal de Góias (FEFD/UFG)

Professora Associada da Faculdade de Educação Física e Dança da Universidade Federal de Goiás (FEFD/UFG) e do curso de mestrado em Direitos Humanos.

Marlucy Alves Paraíso, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora Associada da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (FE/UFMG). Pesquisadora 1D do CNPq. Coordenadora do GECC: Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Currículos e Culturas da FAE/UFMG

Downloads

Publicado

2018-03-29

Como Citar

NICOLINO, A. S.; PARAÍSO, M. A. ESCOLARIZAÇÃO DA SEXUALIDADE: O SILÊNCIO COMO PRÁTICA PEDAGÓGICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA. Movimento, [S. l.], v. 24, n. 1, p. 93–106, 2018. DOI: 10.22456/1982-8918.72058. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/72058. Acesso em: 5 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais