A RACIONALIZAÇÃO DO ESPAÇO COMO DISPOSITIVO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Autores

  • Mário Luiz Ferrari Nunes Faculdade de Educação Física FEF/Unicamp
  • Marcos Garcia Neira Faculdade de Educação - FEUSP

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-8918.65777

Palavras-chave:

Currículo. Educação Física. Educação Superior. Racionalização.

Resumo

Este artigo destaca a racionalização do espaço como elemento significativo da Educação Superior a partir do currículo de um curso de Licenciatura em Educação Física de uma instituição privada de ensino. Por transmitir significados, determinar e separar os locais nos quais os indivíduos circulam e convivem, nele se produzem discursos e práticas culturais que introduzem novas formas de regulação dos sujeitos, constituindo estratégias de subjetivação. Os dados produzidos por meio de observações sistemáticas foram analisados mediante a noção de governamentalidade, entendida por Michel Foucault como a arte de governo de si e dos outros. Os resultados indicam que são realizados investimentos estratégicos em práticas culturais específicas com a finalidade de regular e validar formas de viver afeitas a algumas características do neoliberalismo globalizado como consumismo, espetáculo e volatilidade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mário Luiz Ferrari Nunes, Faculdade de Educação Física FEF/Unicamp

Licenciado em Educação Física com Doutorado, Mestrado e Pós-doutorado em Educação pela Faculdade de Educação da USP. É Professor do Departamento de Educação Física e Humanidades da Faculdade de Educação Física da Unicamp

Marcos Garcia Neira, Faculdade de Educação - FEUSP

Licenciado em Educação Física e Pedagogia com Mestrado e Doutorado em Educação, Pós-doutorado em Currículo e Educação Física e Livre-Docência em Metodologia do Ensino de Educação Física. Professor Titular da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo

Downloads

Publicado

2017-09-30

Como Citar

NUNES, M. L. F.; NEIRA, M. G. A RACIONALIZAÇÃO DO ESPAÇO COMO DISPOSITIVO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR. Movimento, [S. l.], v. 23, n. 3, p. 895–906, 2017. DOI: 10.22456/1982-8918.65777. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/65777. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais