“O QUE O BRASILEIRO NÃO ESQUECE NEM A TIRO É O CHAMADO FRANGO DE BARBOSA” – QUESTÕES SOBRE O RACISMO NO FUTEBOL BRASILEIRO.

Autores

  • Bruno Otávio de Lacerda Abrahão UGF
  • Antonio Jorge Soares UGF

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-8918.3033

Palavras-chave:

Futebol, História. Brasil, Preconceito. Copa de 1950. Barbosa.

Resumo

analisa a culpa atribuída ao ex-goleiro Barbosa pela derrota brasileira na Copa de 1950 à luz do debate sobre raça e racismo no Brasil. Do ponto de vista da História Cultural, a presença do debate racial em textos acadêmicos (DaMatta, 1982; Vogel, 1982; Gordon Jr., 1996) que apontam o ex-goleiro como o algoz desta derrota expressam os significados sobre as relações raciais na cultura brasileira. No plano simbólico, o negro Barbosa se tornou um dos emblemas necessários para denunciar as representações sobre “raça” e a sobreposição de narrativas sobre a especificidade do racismo na sociedade brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Otávio de Lacerda Abrahão, UGF

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Educação Física da Universidade Gama Filho (PPGEF – UGF) e docente da FASAR – Faculdade Santa Rita

Antonio Jorge Soares, UGF

Professor do PPGEF – UGF; Professor da UFRJ; Pesquisador do CNPq

Publicado

2009-02-16

Como Citar

ABRAHÃO, B. O. de L.; SOARES, A. J. “O QUE O BRASILEIRO NÃO ESQUECE NEM A TIRO É O CHAMADO FRANGO DE BARBOSA” – QUESTÕES SOBRE O RACISMO NO FUTEBOL BRASILEIRO. Movimento, [S. l.], v. 15, n. 2, p. 13–31, 2009. DOI: 10.22456/1982-8918.3033. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/3033. Acesso em: 16 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais