ENTRE A ACADEMIA DE BOXE E O BOXE DA ACADEMIA: UM ESTUDO ETNOGRÁFICO

Autores

  • Flávio Py Mariante Neto UFRGS
  • Mauro Myskiw Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE)
  • Marco Paulo Stigger Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-8918.23242

Palavras-chave:

Boxe, Academia, Etnografia, Diversidade

Resumo

Este trabalho traz elementos para a discussão sobre a diversidade dos significados das práticas “esportivas” por pessoas comuns, no cotidiano das cidades. Faz isso a partir de um estudo etnográfico da prática de boxe no contexto de uma academia de fitness da cidade de Porto Alegre, em vista de como esta articula os sentidos do boxe dos boxeadores e do fitness dos alunos, e se isto implica numa lógica de desesportivização. Após a análise e a interpretação do material empírico produzido, pudemos concluir que a prática estudada tem um aspecto híbrido, no sentido de que se caracteriza pela inserção (muito dinâmica, tensa, disputada) de elementos e significados da “academia de boxe” e do “boxe da academia”. Nesse sentido, não seria estranho referirmos a simultaneidade da “desesportivização do boxe” e “esportivização do fitness”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávio Py Mariante Neto, UFRGS

Mestre em Ciências do Movimento Humano pela UFRGS.

Mauro Myskiw, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE)

Mestre em Ciências do Movimento Humano pela UFSM, Mestre em Administração pela UFSM e Professor da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Paraná- Brasil).

Marco Paulo Stigger, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutor em Ciências do Desporto pela Universidade do Porto (Portugal) e Professor Associado ao Dpto. de Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Rio Grande do Sul - Brasil)

Downloads

Publicado

2012-01-19

Como Citar

MARIANTE NETO, F. P.; MYSKIW, M.; STIGGER, M. P. ENTRE A ACADEMIA DE BOXE E O BOXE DA ACADEMIA: UM ESTUDO ETNOGRÁFICO. Movimento, [S. l.], v. 18, n. 1, p. 103–123, 2012. DOI: 10.22456/1982-8918.23242. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/23242. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais