PRÁTICAS CORPORAIS COMO CONCEITO?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-8918.118810

Palavras-chave:

Formação de Conceito. Conhecimento. Educação Física.

Resumo

A partir de uma perspectiva pós-estruturalista se propõe a problematizar o termo Práticas Corporais como conceito para o campo da Educação Física. Percorrem-se na literatura estudos, pesquisas e argumentos que demonstram sua heterogeneidade, indefinição e polissemia. Apresenta subsídios científicos e linguísticos para embasar que Práticas Corporais não possui especificidade, estabilidade e densidade suficiente para ser considerado como tal, desde perspectivas estruturalistas e/ou científicas. No entanto, se considerar compreensões inspiradas na filosofia da diferença e no pós-estruturalismo, Práticas Corporais tem potência para ser considerado um conceito para o campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

George Saliba Manske, Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI)

Doutor em Educação (PPGEDU/UFRGS).

Docente dos cursos de graduação em Educação Física e dos Programas de Pós-graduação em Educação (PPGEDU) e Saúde e Gestão do Trabalho (PPGSGT) da UNIVALI. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Estudos Culturais (GEPEC/CNPq).

Downloads

Publicado

2022-02-05

Como Citar

MANSKE, G. S. PRÁTICAS CORPORAIS COMO CONCEITO?. Movimento, [S. l.], v. 28, p. e28001, 2022. DOI: 10.22456/1982-8918.118810. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/118810. Acesso em: 30 jun. 2022.

Edição

Seção

Ensaios