O ambiente virtual como lócus da formação em Justiça Restaurativa: relato de uma experiência inovadora

Autores

  • Mary da Rocha Biancamano Tribunal de Justiça do RS Porto Alegre, RS

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-1654.90061

Palavras-chave:

Educação a Distância. Ambiente virtual de aprendizagem. Facilitador Judicial. Justiça Restaurativa. Círculos de Construção de Paz.

Resumo

O artigo registra a implementação da educação a distância (EAD) como modalidade no ensino-aprendizagem de uma das etapas da formação de facilitadores em Justiça Restaurativa e em Círculos de Construção de Paz. O ambiente virtual de aprendizagem (AVA) utilizado, como lócus para essa formação de pessoas, foi a Plataforma NAVI/PJRS, da Escola Judicial do Tribunal de Justiça. A educação a distância, aplicada em ambiente virtual colaborativo e cooperativo Plataforma NAVI/PJRS, fundamentada na construção do conhecimento de forma dialógica e consensual; na responsabilidade por seu ser e fazer; na autonomia em ser sujeito de seu processo de aprendizagem, apresentou-se como um significativo instrumento de desenvolvimento de pessoas nessa área. Em que pese a formação completa ser mista (atividades presenciais e a distância), verificou-se resultados de alta qualidade e profundidade no ambiente virtual para a formação de facilitadores (93% dos cursistas foram certificados), comprovando ser modelo possível de implementação pelas escolas judiciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mary da Rocha Biancamano, Tribunal de Justiça do RS Porto Alegre, RS

Centro de Formação e Desenvolvimento de Pessoas do Poder Judiciário do RS

Referências

AXT, M. Comunidades virtuais de aprendizagem. Informática na Educação: Teoria e Prática. Porto Alegre, v.7, n.1, p.111-116, jan./jun. 2004.

BAKTHIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Liv. Martins Fontes Ed. Ltda. 2000.

BIANCAMANO, Mary. Compreensão, autoria e ética: movimentos e possibilidades em curso de gestão pública a distância. 2008. 230f. Tese (Doutorado), Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação, UFRGS, Porto Alegre, 2008.

BIANCAMANO, Mary. O Espaço-núcleo entre o Fazer e o Compreender e os movimentos de autoria e ética na aprendizagem coletiva em AVA. pp. 248-277. in AXT, Margarete (Org.). Experimentações Ético-Estéticas em Pesquisa na Educação. Porto Alegre: Panorama Crítico, 2016. http://www.ufrgs.br/lelic/index.php/publicacoes-lelic

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Resolução nº 225, de 31 de maio de 2016. Dispõe sobre a Política Nacional de Justiça Restaurativa no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. Disponível em: < http://www.cnj.jus.br/atosnormativos?documento=2289> Acesso jan 2019.

PETERS, Otto. A Educação a Distância em Transição. São Leopoldo: Unisinos, 2003, 400p.

TAPSCOTT, Dan. A Hora da Geração Digital. Rio de Janeiro: Agir Negócios, 2010.

ZEHR, Howard. Trocando as Lentes: Um Novo Foco sobre Crime e Justiça. Scottsdale, PA: Herald Press, 1990.

Downloads

Publicado

2019-12-31

Como Citar

DA ROCHA BIANCAMANO, M. O ambiente virtual como lócus da formação em Justiça Restaurativa: relato de uma experiência inovadora. Informática na educação: teoria &amp; prática, Porto Alegre, v. 22, n. 3 Set/Dez, 2019. DOI: 10.22456/1982-1654.90061. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/InfEducTeoriaPratica/article/view/90061. Acesso em: 20 ago. 2022.