O uso das TDIC’s como estratégia para aprendizagem em morfologia microscópica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-1654.88412

Palavras-chave:

TDIC’s, Morfologia microscópica, Educação

Resumo

A criação de bancos digitais com fotomicrografias de preparados histológicos tem sido muito difundida entre várias instituições de ensino. Atlas digital, tecnologias de microscópio virtual (VM) e a telepatologia são materiais didáticos inovadores com grande potencial pedagógico para ensino e prática profissional, que, por sua vez, são baseados em Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC’s). O presente artigo objetiva discutir as TDIC’s que podem ser aplicadas nos estudos de morfologia microscópica, pautando-se em apontamentos literários pertinentes e na demonstração de ferramentas viáveis que tem sido estimuladas em uma instituição de ensino superior como estratégias mais dinâmicas e eficientes para o ensino das Ciências Biológicas e Médicas, mostrando as TDIC’s em articulação com a releitura do processo ensino-aprendizagem na contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nathália Souto Bahia, UNIMONTES

Graduanda de Ciências Biológicas

Wellem Ribeiro da Silva, UNIMONTES

Graduada em Direito, Pós-Graduada em docência no ensino superior e mestranda em Desenvolvimento Social na Unimontes.

Jason Bacchi Vianna, UNIMONTES

Possui graduação em Filosofia pela Universidade Estadual de Montes Claros (2007) e Letras Português/Inglês pela FACULDADE APOGEU (2015). Atuou como professor de filosofia pela Secretaria de Estado de Educação - MG e como tutor a distância do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Norte de Minas Gerais - IFNMG. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Línguas Estrangeiras Modernas.

Humberto Gabriel Rodrigues, UNIMONTES

Graduado em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Montes Claros (2004), especialista e mestre em Genética e Bioquímica pela Universidade Federal de Uberlândia (2008) e doutor em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília - UNB (2014). Atualmente é professor adjunto da Universidade Estadual de Montes Claros, das Faculdades Integradas Pitágoras e das Faculdades Santo Agostinho. Tem experiência na área de Bioquímica e Morfologia, com ênfase em Histologia, embriologia e Fisiologia Humana atuando principalmente nos seguintes temas: avitaminoses, tubo neural, estabilidade de membranas biológicas, modelos embriológicos, Alzheimer, Parkinsonismo e Saúde Pública.

Marco Tullio Brazão Silva, UNIMONTES

Cirurgião Dentista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU; ano 2008) com mestrado em Patologia Geral pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM; ano 2010) e doutorado no programa de Estomatologia e Patologia Básica e Aplicada da Universidade de São Paulo (USP; ano 2014).Tem experiência docente em Patologia Geral, Histologia Oral, Patologia Bucal e Estomatologia em cursos de graduação e pós-graduação. Atualmente é docente efetivo do curso de Odontologia da Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes, no Centro de Ciências Biológicas e da Saúde.

Ricardo Rodrigues Bacchi, Universidade Estadual de Montes Claros-UNIMONTES

Possui graduação em Ciências Biológicas - Modalidade Médica pelo Centro Universitária Barão de Mauá (1994).Mestrado em Avaliação das Atividades Físicas e Desportivas pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Portugal (2010). Especialização em Bioquímica Clínica - análise físico-química e microbiológica para o saneamento do meio ambiente, pelo Centro Universitária Barão de Mauá (1995). Atualmente é professor do Departamento de Biologia Geral e Assessor da Pró Reitoria de Extensão Comunitária da Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Foi Coordenador do Curso de Biologia Bacharelado (2014). Foi Chefe de Departamento de Biologia Geral Unimontes (2016) .Tem experiência na área de Citologia e Histologia de Vertebrados , com ênfase em morfologia do sistema digestório e nutrição.

Referências

ABENSUR, Silvia Itzcovici; TAMOSAUSKAS, Marcia Rodrigues Garcia. Tecnologia da informação e comunicação na formação docente em saúde: relato de experiência. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 35, n. 1, p. 102-107, 2011.

AFONSO, Adriano. Manual da Tecnologia da Informação e Comunicação. In: ANJAF – Entidade Formadora. Ed. 1. Em janeiro de 2010. p. 13.

ATHANAZIO, D. A.; NEVES, F. C. B. S.; BOAVENTURA, C. S.; ATHANAZIO, P. R. F. O ensino de Patologia nas escolas médicas está em crise? Uma revisão sobre a experiência internacional. Revista Brasileira de Educação Médica. Salvador- Bahia, v. 33, n. 1, p.49-54, abr. 2009.

BRASIL. Lei Darcy Ribeiro (1996). LDB: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. – 6. ed. – Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2011. 43 p. – (Série legislação; n. 64) - Atualizada em 25/10/2011. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei9394_ldbn1.pdf>. Acesso em 16/09/2019.

BRITO, L. M. de et al. Ambientes virtuais de aprendizagem como ferramentas de apoio em cursos presenciais e a distância. RENOTE - Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 11, n. 1, p. 1-10, jul. 2013. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/renote/article/view/41630>. Acesso em: 18 set 2019.

CURRAN, Vernon et al. A review of digital, social, and mobile technologies in health professional education. Journal of Continuing Education in the Health Professions, v. 37, n. 3, p. 195-206, 2017.

DA SILVA, Alberto Carvalho. Alguns problemas do nosso ensino superior. Estudos Avançados. V.14, n. 42, p.269- 293, 2001.

DE LIMA, Marcio Roberto; MOREIRA DE ANDRADE, Isadora. Significado que los docentes le dan a la integración de tecnologías digitales en sus prácticas pedagógicas. ALTERIDAD. Revista de Educación, v. 14, n. 1, p. 12-25, 2019.

DOS ANJOS, Rosana Abutakka Vasconcelos; ALONSO, Kátia Morosov; MACIEL, Cristiano. Avaliação de Ambientes Virtuais de Aprendizagem: análise de alguns instrumentos e modelos constituídos. Informática na Educação: teoria e prática. Porto Alegre, v.19, n.2, jun./set. 2016.

FAVA, Rui. Educação 3.0: Aplicando o PDCA nas instituições de ensino. São Paulo: Saraiva, 2014.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 43. ed., São Paulo: Paz e Terra, 2011.

GABRIEL, Martha. Educ@r: a ®evolução digital na educação. São Paulo: Saraiva, 2013.

GARCIA, Gilson Piqueras. O Ensino de Engenharia e o Método PBL. Seminário Internacional de Educação Superior, v. 16, p. 39-44, 2014.

GARDNER, H. Inteligências Múltiplas: a teoria na prática. Trad. Maria Adriana Veríssimo Veronese. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

KENSKI, V. M. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas: Editora Papirus, 2012. 141p.

LEMOS, Hailton David. Microscópio Virtual Aplicado à Educação a Distância. Revista Cereus, v. 6, n. 2, p. 91-100. Gurupi, TO: 2014. Disponível em: <http://ojs.unirg.edu.br/index.php/1/article/view/561/272>. Acesso em: 20 set 2019.

MONTANARI, Tatiana; TIMM, Maria Isabel; PERRY, Gabriela Trindade; MOTTA, Leonardo Lisbôa da; BARILLI, Sofia Louise Santin. Recurso digital para apoio ao aprendizado de Biologia Celular e Tecidual. RENOTE: Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 5, n. 1, p. 1-8. Porto Alegre, RS, 2007.

MORAN, José Manuel. A educação que desejamos: Novos desafios e como chegar lá. 5ª ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

OLIANI, Gilberto; ROCHA, Elenise; DE AGUIAR PEREIRA, Elisabete Monteiro. A disseminação do conhecimento à educação superior por meio das tecnologias digitais de informação e comunicação. In: Congreso Universidad. 2016. p. 97-112. Disponível em:<http://revista.congresouniversidad.cu/index.php/rcu/article/view/687/649>. Acesso em: 19 set 2019

PANDER, Tanja; PINILLA, Severin; KONSTANTINOS, Dimitriadis; FISCHER, Marthin R. The use of Facebook in medical education – A literature review. GMS Zeitschrift für Medizinische Ausbildung. v. 31, n. 3, 2014.

PANTANOWITZ, Liron; HENRICKS, Walter H.; BECKWITH, Bruce A. Medical laboratory informatics. Clinics in laboratory medicine, v. 27, n. 4, p. 823-843, 2007.

PAULINO, Danilo Borges et al. WhatsApp® como Recurso para a Educação em Saúde: Contextualizando Teoria e Prática em um Novo Cenário de Ensino-Aprendizagem. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 42, n. 1, p. 171-180, 2018.

PAREDES-PARADA, Wladimir. Buenas prácticas en el uso de tecnologías de la información y comunicación (TIC) en universidades ecuatorianas. Ciencia, docencia y tecnología, v. 29, n. 57, p. 176-200, 2018.

VALENTE, J. A. A comunicação e a educação baseada no uso das tecnologias digitais de informação e comunicação. Revista UNIFESO – Humanas e Sociais, Vol.1, n.1, p. 141-166, 2014. Disponível em: < http://www.revista.unifeso.edu.br/index.php/revistaunifesohumanasesociais/article/viewFile/17/24>. Acesso em 19 de setembro de 2019.

VIEIRA, Rosangela Souza. O Papel das tecnologias da informação e comunicação na educação a distância: um estudo sobre a percepção do professor/tutor. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, v. 10, 2011.

YAGI, Y; GILBERTSON JR. Digital imaging in pathology: The case for standardization. J Telemed Telecare, v. 11, p. 109-116, 2005.

Downloads

Publicado

2019-10-23

Como Citar

SOUTO BAHIA, N.; DA SILVA, W. R.; BACCHI VIANNA, J.; GABRIEL RODRIGUES, H.; BRAZÃO SILVA, M. T.; BACCHI, R. R. O uso das TDIC’s como estratégia para aprendizagem em morfologia microscópica. Informática na educação: teoria &amp; prática, Porto Alegre, v. 22, n. 2, 2019. DOI: 10.22456/1982-1654.88412. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/InfEducTeoriaPratica/article/view/88412. Acesso em: 11 ago. 2022.