Jogo Digital na inclusão de alunos com deficiência visual

Autores

  • Bruno Cesar Soares Dile Robalinho Colégio Pedro II
  • Christine Sertã Costa Colégio Pedro II

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-1654.86711

Palavras-chave:

Jogavox. Inclusão, Deficiência Visual, Jogo digital, Ludicidade

Resumo

Neste artigo apresentamos o processo de construção de um jogo digital criado de forma participativa com alunos com deficiência visual (cegos e de baixa visão) de uma escola pública de referência do Rio de Janeiro, através do Jogavox, integrado ao Dosvox. O trabalho visa ações pró-ativas de inclusão e um olhar para os atuais discentes nativos digitais, que já incorporam um mundo informatizado e tecnológico. Pesquisas bibliográficas mostram que a temática de jogos digitais é prioritariamente de entretenimento, mas acreditamos ser interessante seu uso para fins pedagógicos. Utilizamos como metodologia a orientação qualitativa no enfoque crítico-participativo, onde os alunos experimentaram e contribuíram na criação desse jogo. Nesse processo, avaliamos o produto educacional como instrumento de aprendizagem e recurso para a evolução da inclusão. Esperamos que este modelo de jogo contribua com o ensino inclusivo de saberes diversos visto que sua usabilidade é simples e possibilita adequações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Cesar Soares Dile Robalinho, Colégio Pedro II

Mestrando no curso de Mestrado Profissional em Práticas de Educação Básica no Colégio Pedro II (MPPEB/CPII). Licenciado em Física pela UFRJ e em Pedagogia pela UNESA. Possui Extensão em Física pelo CEDERJ. Possui aperfeiçoamento em Mídias na Educação pela UFRJ - MEC. Especialista em Orientação Educacional e Pedagógica pela AVM . Professor de Física da Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro. Pedagogo no Colégio Pedro II, atuando no setor de Educação Especial na perspectiva Inclusiva (NAPNE).

Christine Sertã Costa, Colégio Pedro II

Possui graduação em tecnologia de Processamento de Dados (PUC-Rio) e Licenciatura em Matemática (UERJ); mestrado e doutorado em Engenharia de Produção (COPPE/UFRJ). Professora titular do departamento de Matemática do Colégio Pedro II atuando na educação básica e no Mestrado Profissional em Práticas de Educação Básica (MPPEB/CPII). Professora do departamento de Matemática da PUC-Rio atuando na graduação e no PROFMAT-PUC-Rio.

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 12 jan. 2018.

______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Lei nº 4.024. Brasília: Senado Federal, 1961. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/Ccivil_03/leis/L4024.htm>. Acesso em: 12 jan. 2018.

______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Lei nº 9.394. Brasília: Senado Federal, 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/Ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 12 jan. 2018.

______. Lei Brasileira da Inclusão da Pessoa com Deficiência – Lei nº 13.146. Brasília: Senado Federal, 2015. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm>. Acesso em: 12 jan. 2018.

CUNHA, Erica Esteves. Jogavox: ferramenta e estratégias para construção de jogos educacionais para deficientes visuais. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro: UFRJ, 2007. Disponível em: <http://intervox.nce.ufrj.br/~tiagoborges/jogavox/textos /EricaEstevesCunha.pdf>. Acesso em: 28 fev. 2017.

HILDEBRAND, Hermes Renato; OLIVEIRA, Fabiana Martins de. Ludicidade, Ensino e Aprendizagem nos Jogos Digitais Educacionais. Informática na Educação: teoria & prática, Porto Alegre, V. 21, n. 1, p. 106-120, jan./abr. 2018. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/InfEducTeoriaPratica/article/download/59479/ 49425>. Acesso em:12 set. 2018.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. 6. ed. São Paulo: Perspectiva, 2010. (Coleção Estudos).

MATHISON, Sandra. Why Triangulate? Educational Researcher, v17 n2 p13-17 Mar 1988. Disponível em: <https://blogs.baruch.cuny.edu/com9640/files/2010/08/whytriangulate.pdf>. Acesso em: 7 jun. 2018.

OCHAÍTA, Esperanza; ESPINOSA, Maria Ángeles. Desenvolvimento e intervenção educativa nas crianças cegas ou deficientes visuais. In: COLL, César; MARCHESI, Álvaro; PALACIOS, Jesús (Org.). Desenvolvimento psicológico e educação. Porto Alegre: Artmed, 2004. 3v (Coleção Transtornos do desenvolvimento e necessidades educativas especiais).

PAPERT, Seymor. The Children’s Machine: rethinking school in the age of the computer. New York: BasicBooks, 1993. Disponível em <http://learn.media.mit.edu/lcl/resources/ readings/childrens-machine.pdf>. Acesso em: 06 jul. 2018.

SASSAKI, Romeu, K. Inclusão. Construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 1997.

SILVA, Lidiane Figueira da. Geometria e cegos – Um jogo computacional no processo de aprendizagem de trigonometria. Rio de Janeiro, 2009. Monografia de final do curso apresentada ao Programa de Pós-Graduação Lato Sensu em Tecnologias da Informação Aplicadas à Educação (PGTIAE), do Núcleo de Computação Eletrônica da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: <http://intervox.nce.ufrj.br/~tiagoborges/jogavox/textos/monografia_lidiane.pdf>. Acesso em: 30 mar. 2018.

SILVA, Wesley Pereira da. Jogos digitais adaptados para estudantes com deficiência visual: estudo das habilidades cognitivas no Dosvox. 2017. 145 f., il. Dissertação (Mestrado em Educação)—Universidade de Brasília, Brasília, 2017. <http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/23348/1/2017_WesleyPereirada Silva.pdf>. Acesso em: 15 jan. 2018.

TRIVIÑOS, Augusto N. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais – a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VALENTE, José Armando. Diferentes usos do computador na educação. In: Computadores e conhecimento: repensando a educação. 2ª ed. Campinas: NIED-Unicamp, 1998.

Downloads

Publicado

2019-05-30

Como Citar

ROBALINHO, B. C. S. D.; COSTA, C. S. Jogo Digital na inclusão de alunos com deficiência visual. Informática na educação: teoria &amp; prática, Porto Alegre, v. 22, n. 1, 2019. DOI: 10.22456/1982-1654.86711. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/InfEducTeoriaPratica/article/view/86711. Acesso em: 16 ago. 2022.