Os outros ocultos nas interfaces de jogos digitais educacionais

Autores

  • Flavia Mendes de A. Peres Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Glaucileide da Silva Oliveira Universidade de São Paulo
  • Dyego Carlos Sales de Morais Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-1654.79901

Palavras-chave:

Jogos digitais educacionais. Dialogismo. Design Participativo. Sociedade da Informação.

Resumo

Neste artigo são tecidas considerações sobre os significados implícitos nas interfaces de jogos digitais educacionais e suas relações com o processo de desenvolvimento dos mesmos. Desses significados, destaca-se a polifonia presente nos enunciados encapsulados nas interfaces, e a relação dialógica entre desenvolvedores e usuários finais. À luz dos estudos de Vygotsky e Bakhtin, contextualizados em uma Comunidade de Prática dentro do ambiente escolar, os resultados apontam para um modelo metodológico que favorece a aprendizagem de conceitos científicos em estreita relação com a aprendizagem de computação e design; e para implicações sobre a pesquisa em contextos informatizados. Em ambas as direções, conclui-se que a produção de artefatos da cultura digital, protagonizada por sujeitos do ensino médio, aproxima as atividades de desenvolvedores novatos e experts, dialogicamente, e indica aspectos ocultos dessa relação que se encapsulam e impactam na qualidade educacional dos sistemas de informação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flavia Mendes de A. Peres, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Doutorado em Psicologia Cognitiva (UFPE, 2007), Graduação em Psicologia (UFC, 1997) Mestrado em Psicologia Cognitiva (UFPE, 2002). Professora Associada da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), na Área de Psicologia do Departamento de Educação. Professora do Programa de Pós-Graduação Educação, Culturas e Identidades (UFRPE/FUNDAJ) Possui experiência em temas relacionados às Tecnologias da Informação, Comunicação e Educação, atuando principalmente em orientação a: processos de produção de sentidos em ambientes informatizados; aprendizagem, identidade e cultura digital; ruralidades e educação do campo. Também é consultora em educação e metodologias de uso - do C.E.S.A.R (Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife), uma organização sem fins lucrativos associada ao Centro de Informática da UFPE.

Glaucileide da Silva Oliveira, Universidade de São Paulo

Mestranda em Educação- FEUSP, Brasil

Dyego Carlos Sales de Morais, Universidade Federal de Pernambuco

Doutorando em Ciência da Computação - Centro de Informática - UFPE

Referências

BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoievsky. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BARBOSA, S. D. Programação via Interface. Tese de Doutorado. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1999.

BODKER, S.; EHN, P.; SJÖGREN, D.; SUNDBLAD, Y. Co-operative Design - perspectives on 20 years with ‘the Scandinavian IT Design Model’. Anais da Nordic Conference on Human-Computer Interaction - NordiCHI, Stockholm, 2000.

CAPEZZERA, D.; PERES, F. Interação, Mediação e Desenvolvimento de Games Educacionais: Uma análise dos Processos de Ensino ­Aprendizagem. In: ABRANCHES, A.; SIMÕES, P.; MELO, A.; FOLENA, M. (Org.). Pesquisa Educacional e o direito à Educação: Múltiplas Abordagens. Recife: Ed. Massangana, 2014, p. 201-218.

DANIELS, H. Vygotsky and Pedagogy. London: Routledge Falmer, 2001.

EHN, P. Work-oriented design of computer artifacts. Hillsdale: Lawrence Erlbaum, 1988.

FARACO, C., A. Linguagem e diálogo. As ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. Curitiba: Criar Edições, 2003.

GOODWIN, C. Action and embodiment within situated human interaction. Journal of Pragmatics, v. 32, p. 1489-1522, 2000.

GROS, B. Digital Games in Education: The Design of Games-Based Learning Environments. Journal of Research on Technology in Education, 40(1), 23–38, 2007.

HUTCHINS, E. The social organization of distributed cognition. In L. Resnick, B. Levine, M. John, & S. Teasley (Eds.), Perspectives on Socially Shared Cognition. Washington: American Psychological Association. 1991, p. 283 - 307.

LAVE, J.; WENGER, E. Situated Learning: Legitimate Peripheral Participation. Cambridge: Cambridge University Press, 1991.

LIM, C. P. Spirit of the game: Empowering students as designers in schools? British Journal of Educational Technology, v.39, n.6, p. 996-1003, 2008.

MARCUSCHI, L., A.; XAVIER, A. C. (org.). Hipertexto e gêneros digitais. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004.

MARCUSCHI, L. A. Heráclito e o hipertexto: o logos do hipertexto e a harmonia do oculto. In: Encontro Nacional Sobre Hipertexto, 1, 2005, Recife. Anais. Recife, 2005.

MEIRA, L.; PERES, F. A dialogue-based approach for evaluating educational software. In: Interacting with Computers, v.16, n. 4, p. 615-633, 2004.

MORAIS, D.; GOMES, T.; PERES, F. (2012) Desenvolvimento de jogos educacionais pelo usuário final: uma abordagem além do design participativo, In: Proceedings of the 11th Brazilian Symposium on Human Factors in Computing Systems ­ IHC'12, Brazilian Computer Society, Porto Alegre, Brasil, 2012.

MORAIS, D.; GOMES, T.; SOUZA, A.; PERES, P. Storyboards no Desenvolvimento de Jogos Digitais Educacionais por Usuários Finais: Um Relato de Experiência. In: Anais do Simpósio Brasileiro de Informática na Educação. 2015.

MORAIS, D.; GOMES, T.; OLIVEIRA, G. S.; PERES, F. Teoria da Atividade para Entendimento de Práticas Humanas no Desenvolvimento Participativo de Jogos. In: XIX Conferência Internacional sobre Informática na Educação, Fortaleza, 2014. Anais. Fortaleza, 2014

MORCH, A. Three Levels of End-User Tailoring: Customization, Integration, and Extension. In M. Kyng, & L. Mathiassen (Eds.) Computers and Design in Context, MIT Press, Cambridge, MA, p. 51-76, 1997.

PERES, F. M.; OLIVEIRA, G. S. Teoria da Atividade e desenvolvimento de games educacionais: implicações das comunidades de prática para a aprendizagem em contexto escolar. Anais do Hipertextus, Recife, n.10, jul. 2013.

PERES, F. Corpos e vozes na interface humano-computador: o sujeito entre interações e relações de uso. Artefactum. Rio de Janeiro, v. 1, p. 604-1351-1, 2015.

PONTUAL F. T., MENDES DE ANDRADE, P. F. ; SALES DE MORAIS, D. C. ; DA SILVA OLIVEIRA, G. Participatory methodologies to promote student engagement in the development of educational digital games. COMPUTERS & EDUCATION , v. 116, p. 161-175, 2018.

PRENSKY, M. Digital game-based learning. New York: McGraw-Hill, 2001.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico­crítica: primeiras aproximações. 8ª edição, Campinas, SP: Autores Associados, 2003.

VALENTE, J. A. O uso inteligente do computador na educação. Pátio: Revista Pedagógica, 1(1), 19-21, 1997.

VAN DER VEER, R.; VALSINER, J. Understanding Vygotsky: A quest for synthesis. Malden: Blackwell Publishing, 1991

VASCONCELOS, M. S., CARVALHO, F. G, BARRETO, J. O., ATELLA, G. C. As Várias Faces dos Jogos Digitais na Educação. Informática na Educação: teoria & prática, Porto Alegre, v. 20, n. 4, p. 203-218, ago. 2017.

VOS, N.; MEIJDEN, H. V. D.; DENESSEN, E. Effects of constructing versus playing an educational game on student motivation and deep learning strategy use. Computers & Education 56, 127-137. 2011

YANG, Y.-T. C.; CHANG, C. Empowering students through digital games authorship: Enhancing concentration, critical thinking and academic achievement. Computers and Education, v.68, p. 334-344. 2013

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

WENGER, E.; TREYNER, B. Communities of practice: A brief introduction, 2015. Disponível em < http://wenger-trayner.com/introduction-to-communities-of-practice/ >. Acesso em: 15 abr. 2016.

Downloads

Publicado

2017-12-31

Como Citar

PERES, F. M. de A.; OLIVEIRA, G. da S.; MORAIS, D. C. S. de. Os outros ocultos nas interfaces de jogos digitais educacionais. Informática na educação: teoria &amp; prática, Porto Alegre, v. 20, n. 3 set/dez, 2017. DOI: 10.22456/1982-1654.79901. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/InfEducTeoriaPratica/article/view/79901. Acesso em: 8 ago. 2022.