O desenvolvimento do jogo Insekt GO e suas relações com o Pokémon GO e o ensino de Biologia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-1654.79613

Palavras-chave:

Ensino de Biologia. Evolução. Biodiversidade. Tecnologias Digitais. Pokémon GO.

Resumo

Verifica-se hoje uma forte tendência a utilizar as tecnologias digitais como subsídios nos processos de aprendizagens, visto a inserção e popularização destas tecnologias e o consumo de mídias digitais no nosso cotidiano. Assim, o desenvolvimento de jogos digitais voltados para a Educação vem construindo caminhos como estratégias de ensino. Especificamente o ensino de Biologia está atrelado a conceitos e fenômenos muitas vezes de difícil compreensão. Esta pesquisa busca diminuir estas dificuldades, propondo um jogo similar ao Pokémon GO, o Insekt GO, o qual pretende problematizar sobre a teoria da Evolução, desenvolvida equivocadamente pela franquia Pokémon, bem como outros aspectos ligados ao ensino de Biologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leticia Azambuja Lopes, Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências da Universidade Luterana do Brasil (ULBRA), Canoas, RS.

Graduada em Ciências Biológicas, pela Universidade da Região da Campanha (URCAMP), mestrado em Zoologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e doutorado em Ciências - Área: Entomologia pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente sou Professora Colaboradora, bolsista PNPD/CAPES no Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências da Universidade Luterana do Brasil (ULBRA), atuando em curso de pós-graduação (mestrado e doutorado), finalizando o pós doutoramento. Possuo experiência na linha de pesquisa em Tecnologias da Informação e Comunicação em Ciências, tratando das temáticas inclusão digital e elaboração de metodologias diferenciadas na Educação em Ciências.

Paulo Tadeu Campos Lopes, Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências da Universidade Luterana do Brasil (ULBRA), Canoas, RS

Possui graduação em Licenciatura Plena em Ciências Biológicas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, mestrado em Microbiologia Agrícola e do Ambiente e doutorado em Fitotecnia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É professor da Universidade Luterana do Brasil (ULBRA), atuando em cursos de graduação e de pós-graduação stricto sensu. Tem experiência na área de Morfologia, com ênfase em Anatomia Humana, e em Ensino de Ciências, com ênfase em Avaliação da Aprendizagem e Tecnologias de Informação e Comunicação. É líder do Grupo de Pesquisa Tecnologias Digitais no Ensino de Ciências, vinculado ao Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática da ULBRA, que tem como objetivos desenvolver estratégias de ensino e aprendizagem em Ciências através de tecnologias digitais e a formação de sujeitos nessas tecnologias. É coordenador do Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos da ULBRA.

Referências

ALENCAR, E. J.; NASCIMENTO, J. de N.; FARIAS, C. da C.; DIAS, M.A. da S. Sequência didática para o ensino de classificação e evolução biológica. Anais: V Encontro de Iniciação à Docência da Universidade Estadual da Paraíba – UEPB, 2015. Disponível em: <http://www.editorarealize.com.br/revistas/eniduepb/trabalhos/TRABALHO_EV043_MD1_SA1_ID630_01072015142253.pdf> Acesso em: 12/01/2017.

ARAÚJO, D. C.; RODRIGUES, A. N.; LIMA, P. V L.; FERREIRA, M. A. D.; SANTOS, H. R. M. Processo de desenvolvimento do jogo sério Missão Aedes: relações entre objetivos pedagógicos, ludicidade e implicações de design. Anais do XXVII Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (SBIE 2016), 2016.

BAINBRIDGE, J. ‘It is a Pokémon world’: the Pokémon franchise and the environment. International Journal of Cultural Studies, v. 17, n. 4, p. 399-414, 2014.

BBC. (2016) “Should you believe those Pokémon Go download numbers?” Disponível em: http://www.bbc.co.uk/news/magazine-36868076. Acesso 01/01/2017.

BOYLE, E.; CONNOLLY, T. M.; HAINEY, T. The role of psychology in understanding the impact of computer games. Entertainment Computing, v. 2, n. 2, p. 69-74, 2011.

BULLA, M. E.; MEGLHIORATTI, F. A. Controvérsias científicas na construção do conhecimento biológico: investigando um curso de formação continuada de professores referente à evolução biológica humana. Investigações em Ensino de Ciências, v. 21, n. 2, p. 1-29, 2016.

CARLETTI, C.; MASSARANI, L. O que pensam crianças brasileiras sobre a teoria da evolução? Alexandria Revista de Educação em Ciências e Tecnologia, v. 4, n. 2, p. 205-223, 2011.

DORWARD, L.J.; MITTERMEIER, J., SANDBROOK, C. Pokémon GO: benefits, costs and lessons for the conservation movement. Conservation Letters, v. 0, n. 0, doi:10.1111/conl.12326, 2016.

ECHEVERRÍA, J. A escola contínua e o trabalho no espaço-tempo eletrônico. In: Jarauta, B.; Imbernón, F. (Orgs.), “Pensando no futuro da educação: uma nova escola para o século XXII”. Porto Alegre: Penso,160 p., 2015.

FUTUYMA, D. J. Evolução, ciência e sociedade. São Paulo: Sociedade Brasileira de Genética, 2009.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2007.

GULLAN, P.J.; CRANSTON, P.S. Os insetos: um resumo de entomologia. São Paulo: Roca, 440 p., 2007.

JOUCOSKI, E.; SERBENA, A. L.; MELO, C. C.; ZANON, E. K.; SANTOS, J.; CHAVES, R. K. C.; REIS, R. A. A construção dos jogos didáticos de cartas colecionáveis como instrument de divulgação científica no programa de extensão LabMóvel. Anais do VIII ENPEC, 2011.

LOPES, L. A.; LOPES, P. T. C. Explorando o Pokémon GO como modelo para o ensino de Biologia. Acta Scientiae, v. 19, n. 3, p. 517-529, 2017.

MARTINHO, T.; POMBO, L. Potencialidades das TIC no ensino das Ciências Naturais – um estudo de caso. Revista Eletrónica de Enseñanza de lãs Ciencias, v. 8, n. 2, 2009.

MELOR, D. S.; D’AMBROSIO, I. S. S. Tecnologia móvel: um relato de experiência com a prática de adaptação do jogo Pokémon GO na educação contemporânea. Anais do 10 Encontro Nacional de Formação de Professores, 2017.

MEYER, D.; EL-HANI, C.N. Evolução: O sentido da biologia. São Paulo: UNESP, 2005.

MORE, A. T.; PEREIRA, G. A.; SILVA, W. A.; RODRIGUES, L. C.; KAIMOTI, N. L. A.; QUEIROGA, A. P. G. Cartilha Digital 3D como auxílio à alfabetização e letramento: desenvolvimento de aplicativo móvel com uso de realidade aumentada. Anais do XXVII Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (SBIE 2016), 2016.

OLIVEIRA, G. S.; BIZZO, N.; PELLEGRINI, G. Evolução biológica e os estudantes: um estudo comparativo Brasil e Itália. Ciência & Educação, v. 22, n. 3, p. 689-705, 2016.

PAULA, B. H.; VALENTE, J. A. Jogos digitais e educação: uma possibilidade de mudança da abordagem pedagógica no ensino formal. Revista Ibero-americana de Educação, v. 70, n. 1, p. 9-28, 2016.

PECHENIK, J. A. Biologia dos invertebrados. ARTMED: Porto Alegre, 2016.

PRETTO, N. L. O desafio de educar na era digital: educações. Revista Portuguesa de Educação, v. 24, n. 1, p. 95-118, 2011.

RAMOS, D. K.; NOVAES, A. M. C.; MARTINS, M. E. O.; BIANCHI, M. L. Jogos Digitais na Sala de Aula e o Exercício das Funções Executivas. Revista Tecnologias na Educação, v. 18, jan. 2017.

RODRIGUES, A. S.; PAES, E. D.; SILVA, J. Q.; ASSUNÇÃO, L. S. Produção de jogos digitais como recursos didáticos na prática pedagógica. Revista do Seminário Mídias & Educação do Colégio Pedro II, 2, n. 2, p. 1-4, 2016.

SANTOS, E. R.; FELIPE, G.; ROCHA, L. A.; CORREIA JR., P. A. Pokémon Go: a maior experiência mundial reunindo cartografia digital e realidade aumentada. Anais da Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão, IF Araquari, ano II. 2016.

TAKADA, K. Japanese interest in “Hotaru” (fireflies) and “Kabuto-Mushi” (japanese Rhinoceros beetles) corresponds with seasonality in visible abundance. Insects, v. 3, p. 424-431, 2012.

TOLEDO, M. O. A origem dos games: Pokemon. Portal Nparty. 14 de abril de 2012. Disponível em: <http://www.nparty.com.br/2012/04/n-gold-origem-dos-games-pokemon.html>. Acesso em 02/01/2017.

VIEIRA, E. R. Ensino de geometria com tecnologias digitais: experiências dos professores do programa de residência docente do colégio Pedro II. Revista do Seminário Mídias & Educação, v. 1, p. 1-4, 2015.

YAMAMOTO, E. Cidade Universitária ganha nova área de reserva ecológica. Jornal da USP. 2017. Disponível em: <http://jornal.usp.br/institucional/cidade-universitaria-ganha-uma-nova-area-de-reserva-ecologica/>. Acesso em 10/01/2017.

Downloads

Publicado

2017-12-31

Como Citar

LOPES, L. A.; LOPES, P. T. C. O desenvolvimento do jogo Insekt GO e suas relações com o Pokémon GO e o ensino de Biologia. Informática na educação: teoria &amp; prática, Porto Alegre, v. 20, n. 3 set/dez, 2017. DOI: 10.22456/1982-1654.79613. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/InfEducTeoriaPratica/article/view/79613. Acesso em: 8 ago. 2022.