LEITURA INTERATIVA, ESCRITA E TECNOLOGIAS: EXPERIMENTAÇÕES CRIATIVAS NA EDUCAÇÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-1654.76155

Palavras-chave:

Leitura. Escrita, Tecnologia, Roland Barthes, Mikhail Bakhtin

Resumo

O presente texto apresenta-se como articulador de discussões acerca da mediação da aprendizagem por meio da leitura de livros jogos, aliando tecnologia e pedagogia, por meio de um relato sobre um projeto aplicado em turmas de 5º anos de uma escola particular na região metropolitana de Porto Alegre. O principal objetivo era verificar como se daria o “despertar para a leitura” nas 90 crianças (entre 9 e 11 anos) das turmas envolvidas, tendo como pré-requisito o fato de serem agitadas e com predileção pela tecnologia em detrimento da leitura. Além de promover o gosto pela leitura e escrita, este artigo problematiza a necessidade de programas que incentivem o hábito de estudar, pesquisar, interagir. Discute-se a concepção de que leitura e tecnologia devem ser atreladas à escritura, porém não somente como potência, fruto de iniciação, uma aventura com generalidade simbólica ligada ao prazer: devem ser processos dentro e fora da sala de aula, sobretudo em ambientes formais de educação e em outros espaços constituintes de sentidos. Ao modo de um ensaio teórico, divide-se em quatro partes: a) 1ª cena, a escrita; b) 2ª cena, a leitura; c) 3ª cena, a tecnologia; d) 4ª cena, o prazer envolvido. Desenvolve a tese segundo os preceitos de Roland Barthes e de Mikhail Bakhtin. Sustenta a importância da escola dar vez à escrita criativa e aos circuitos de leitura linkados com a tecnologia aplicada ao ensino, como o uso de sites, blogs e redes sociais, de tablets e smartphones, das histórias em slides e do compartilhamento de experiências instantâneas por meio dos livros jogos permitem melhores abordagens de mediação de leitura e, portanto, a construção de novos saberes por meio do dialogismo e da alteridade. Para tanto, faz-se uso de conceitos como gamificação, aprendizagem e interação entre nativos digitais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edilaine Vieira Lopes, UniRitter/ Feevale

Graduada em Letras pela Universidade Feevale; pós-graduada em Tecnologias e Educação a Distância pela Universidade Castelo Branco; mestre em Educação pela Unilasalle; doutora em Letras pela UCS/Uniritter- Laureate International Universities. É professora na Educação Básica em Novo Hamburgo. Foi premiada em duas edições do Concurso Nacional de Redações para Professores da Academia Brasileira de Letras. Suas publicações mais recentes são "Será tão difícil escrever?" (Editora Appris, 2014) e "A leitura do jornal na sala de aula" (2015). Participa de antologias literárias. Membro da ALVALES (Academia Literária do Vale do Rio dos Sinos). Tem experiência na área de Letras, e, projetos educacionais de leitura e interação, como RPG, Escrita Criativa e presta consultoria/ editoria para autores. Atua nos seguintes temas: literatura, escritura, autoria, leitura, gêneros discursivos e ensino.

Cleber Gibbon Ratto, Unilasalle

Pesquisador do CNPq. Psicólogo pela Universidade Católica de Pelotas. Psicoterapeuta. Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Tem experiência nas áreas da Psicologia e da Educação, atuando principalmente nos temas ligados aos fundamentos filosóficos e sociológicos dessas áreas. Discute temas como educação, cultura contemporânea, juventudes, comunicação e novas sociabilidades. Atualmente é pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Educação (Mestrado/Doutorado) da Universidade La Salle (UNILASALLE), do qual foi coordenador adjunto (2012-2016) e docente do Mestrado Profissional em Reabilitação e Inclusão do IPA. Foi coordenador do Curso de Psicologia do Centro Universitário Metodista - IPA (2008-2010). Avaliador de Cursos de Graduação do SINAES - MEC/INEP. Líder do Grupo de Pesquisa "Cultura contemporânea, Sociabilidades e Práticas Educativas e integrante do Grupo de Pesquisa interinstitucional "Cultura, Subjetividade e Políticas de Formação", ambos cadastrados no CNPQ.

Referências

AUGÉ, Marc. Não lugares: introdução a uma antropologia da sobremodernidade.Lisboa, 90 Graus, 2005.

BAKHTIN, M. (VOLOCHINOV) Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1986.

______. Estética da criação verbal. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BARTHES, Roland. O rumor da língua. São Paulo: Brasiliense, 2004.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

BEUREN, Athos. O inimigo digital: uma aventura ambientada no universo Minecraft. Novo Hamburgo: Jambô, 2017.

FARDO, M. L. A gamificação aplicada em ambientes de aprendizagem. In: RENOTE, V. 11, Nº 1, julho, 2013. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/renote/article/viewFile/41629/26409>. Acesso em: 29 dez. 2014.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1989.

KASTRUP, Virgínia. A invenção de si e do mundo: Uma introdução do tempo e do coletivo no estudo da cognição. Campinas: Papirus, 2009.

LARROSA, Jorge. A operação ensaio: sobre o ensaiar e o ensaiar-se no pensamento, na escrita e na vida. In: Educação e realidade, v.29, n.1, 2004.

LIPOVETSKY, Gilles. Era do Vazio: Ensaios Sobre o Individualismo Contemporâneo. Editora MANOLE, 2005.

PRENSKY, Marc. Não me atrapalhe, mãe – Eu estou aprendendo! São Paulo: Phorte, 2010.

SCHOPENHAUER, Arthur. A arte de escrever. Porto Alegre: LPM Pocket, 2000.

ZICHERMANN, Gabe; CUNNINGHAM, Christopher. Gamification by Design – Implementing Game Mechanics in Web and Mobile Apps, 2011.

ZILBERMAN, Regina. Fim do livro, fim dos leitores? São Paulo: SENAC, 2001.

Downloads

Publicado

2017-12-31

Como Citar

LOPES, E. V.; RATTO, C. G. LEITURA INTERATIVA, ESCRITA E TECNOLOGIAS: EXPERIMENTAÇÕES CRIATIVAS NA EDUCAÇÃO. Informática na educação: teoria &amp; prática, Porto Alegre, v. 20, n. 4 dez, 2017. DOI: 10.22456/1982-1654.76155. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/InfEducTeoriaPratica/article/view/76155. Acesso em: 4 fev. 2023.