ENSINO COLABORATIVO E INCLUSIVO: POLÍTICAS E PRÁTICAS DE INCLUSÃO USANDO TECNOLOGIAS

Autores

  • Naiara Chierici Rocha Mestrado em Educação - Programa de Pós-Graduação em Educação UNESP- Campus de Presidente Prudente
  • Elisa Tomoe Moriya Schlünzen Professora do Departamento de Estatística, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista-UNESP
  • Danielle Aparecida do Nascimento dos Santos Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE.

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-1654.63766

Palavras-chave:

Ensino Colaborativo, Educação Especial, Inclusão, Políticas Públicas.

Resumo

O presente artigo tem por objetivo apresentar reflexões acerca das políticas públicas de inclusão que trazem nuances do ensino colaborativo entre os professores da Educação Especial e os professores do ensino regular, no contexto escolar do estado de São Paulo. Para isso, destacam-se as concepções de um ensino colaborativo para uma escola inclusiva, junto às diretrizes das políticas públicas. Além dessas reflexões, são discutidas percepções das práticas observadas em uma escola estadual do município de Presidente Prudente/SP entre uma professora da Educação Especial e uma professora de Matemática. Apresenta-se junto a essas reflexões a concepção da abordagem Construcionista, Contextualizada e Significativa (CCS) como potencializadora para práticas inclusivas e colaborativas por meio das Tecnologias. A partir disso, foi possível refletir sobre a necessidade de efetivação das políticas públicas em relação ao ensino colaborativo, considerando as especificidades e necessidades das escolas e do trabalho pedagógico dos professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARGUELES, M. E., HUGHES, M. T., SCHUMM, J. S. Co-teaching: a Different Aproach to inclusion. Principal (Reston, Va) 79 n. 4 48, 50-1 Mr. 2000.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto editora, 1994. 336 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília, DF, 2008.

______. Decreto nº 6.571, de 17 de setembro de setembro de 2008.

COOK, L & FRIEND, M. Co-teaching: Guidelines for creating effective practices. Focus on Exceptional Children, nº 28, pp, 1-16, 1995.

CONDERMAN, G.; BRESNAHAN, V; PEDERSEN, T. Purposeful co-teaching: real cases and effectives strategies. Thousand Oaks: Corwin Press, 2009a.

FERREIRA, B.C., Mendes, E.G., Almeida, M.A., & Del Prette, Z.A.P. Parceria colaborativa: Descrição de uma experiência entre o ensino regular e especial. Revista Educação Especial (UFSM), 29, p. 9-22, 2007.

MACHADO, A. C.; ALMEIDA, M. A. A.. Parceria no contexto escolar: uma experiência de ensino colaborativo para educação inclusiva. Rev. Psicopedagogia, v. 27, n. 84, 2010, p. 344-351.

MENDES, E. Colaboração entre ensino regular e especial: o caminho do desenvolvimento pessoal para a inclusão escolar. In: MANZINI, E. J. Inclusão e acessibilidade. Marília, 2006. p. 29-41.

MENDES, E. G., ALMEIDA, M. A., TOYODA, C. Y. Inclusão escolar pela via da colaboração entre educação especial e educação regular. Curitiba, n. 41, p. 81-93, jul./set. 2011.

MENDES, E.G; VILARONGA, C.A.R; ZERBATO, A.P. Ensino Colaborativo como Apoio à Inclusão Escolar: Unindo esforços entre a educação comum e especial. São Carlos: EdUFSCar, 2014. 160 p.

MICHELS, M. H.. Paradoxo da formação docente na política de educação inclusiva de Estado de Santa Catarina: a perspectiva clinica como sustentação do trabalho escolar. In.: BAPTISTA, C. R.; JESUS, D. M. (orgs.). Avanços em políticas de inclusão: o texto da educação especial no Brasil e em outros países. Porto Alegre: Mediação, 2009, p. 139-152.

PRIETO, R. G. Políticas de inclusão escolar no Brasil: sobre novos/velhos significados para a educação especial. In.: MENDES, E.; ALMEIDA, M. A. (orgs.). Das margens ao centro: perspectivas para as políticas e práticas educacionais no contexto da educação especial. Araraquara/SP: Junqueira&Marin, 2010, p. 61- 78.

PUGACH, M.; JOHNSON, L. Collaborative practitioners, collaborative schools. Denver: Love Publishing, 1995

RODRIGUES, D. (2006). Dez ideias (mal) feitas sobre a Educação Inclusiva. In David Rodrigues (org.), Inclusão e Educação: Doze olhares sobre a Educação Inclusiva. São Paulo: Summus Editorial.

São Paulo (Estado). Resolução SE nº 11, de 31 de Janeiro de 2008.

__________. Resolução SE nº 31, de 24 de Março de 2008.

__________. Resolução SE nº 61, de 11 de Novembro de 2014.

SILVA, A. M. da. Buscando componentes da parceria colaborativa na escola entre família de crianças com deficiência e profissionais. 130f. Dissertação de Mestrado – UFSCar: São Carlos, 2007.2008. Diário Oficial da União, 18 de

SCHLÜNZEN, E. T. M. Abordagem construcionista, contextualizada e significativa: formação, extensão e pesquisa em uma perspectiva inclusiva. Presidente Prudente, 2015. Tese de Livre Docência. Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciências e Tecnologia, (FCT/UNESP).

Downloads

Publicado

2017-04-19

Como Citar

ROCHA, N. C.; SCHLÜNZEN, E. T. M.; DOS SANTOS, D. A. do N. ENSINO COLABORATIVO E INCLUSIVO: POLÍTICAS E PRÁTICAS DE INCLUSÃO USANDO TECNOLOGIAS. Informática na educação: teoria & prática, Porto Alegre, v. 19, n. 3 set/dez, 2017. DOI: 10.22456/1982-1654.63766. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/InfEducTeoriaPratica/article/view/63766. Acesso em: 14 ago. 2022.