SOCIALIZAÇÃO EM FÓRUNS VIRTUAIS – PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA CURSOS DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL

Autores

  • Paula Patrícia Barbosa Ventura Estudante de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Ceará (UFC-FACED)

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-1654.63288

Palavras-chave:

Proposta Pedagógica, Educação Semipresencial, Cooperação. Formação de Docentes em Serviço.

Resumo

O objetivo desse artigo é descrever a proposta pedagógica adotada numa instituição de ensino superior que utiliza a modalidade semipresencial como alternativa para promover aprendizagem formal. No aporte teórico, utilizou-se autores como: Behar, Passerino e Bernardi (2007), Piaget (1973), Becker (1994), Behar, Kist e Schneider (2004), Vasconcelos (1995), dentre outros. A metodologia, caracterizada como participativa, privilegiou a cooperação online, tomando por base a interação entre os participantes, especificamente na vivência docente dos alunos-professores em serviço. Apesar de o público-alvo ser bastante heterogêneo (de diversas áreas do conhecimento), o diferencial esteve nas ações tutoriais, dentre elas, na postura provocativa e investigativa da professora-tutora. Como contribuição, a proposta pedagógica mostrou alternativas positivas de serem trabalhadas com professores em serviço, tais como: a desconstrução das certezas professorais, através da socialização das práticas e do conhecimento teórico-prático das interações interindividuais; o incentivo à pesquisa, possibilitando o aluno-professor a (re)pensar os métodos de ensino utilizados; o exercício da autoria e co-autoria, incentivando a valorização das ideias discentes e, sobretudo, os processos avaliativos num curso semipresencial. O sucesso da proposta se deu à utilização de um planejamento flexível, de familiaridade e aprofundamento teórico com o objeto a ser trabalhado, pois o importante quando se utilizam determinadas propostas, é privilegiar a problematização, a cooperação e os saberes construídos em conjunto, todos eles fundamentados em uma concepção epistemológica progressista de educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Patrícia Barbosa Ventura, Estudante de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Ceará (UFC-FACED)

Doutoranda em Educação na Linha de Pesquisa/ Eixo Temático: Educação, Currículo e Ensino/ Tecnologias Digitais na Educação na Universidade Federal do Ceará (UFC). Mestre em Educação pela mesma Instituição, Linha de Pesquisa e Eixo Temático. Especialista em Informática Educativa (UFC) e Graduada em Pedagogia (UFC).

Referências

BEHAR, Patricia Alejandra. As novas tecnologias da informática e das comunicações e o novo modelo educacional. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2016.

BEHAR, Patricia Alejandra.; MACEDO, Alexandra Lorandi.; BERNARDI, Maira Modelos pedagógicos em educação a distância. In: BEHAR, Patricia Alejandra. et al. Experiências de aplicação de modelos pedagógicos em cursos de educação a distância. Porto Alegre: Artmed, 2009. 311p.

BRASIL. Ministério da Educação, Cultura e Desporto (MEC). Decreto nº 5622/2005. Disponível em: . Acesso: 23 mar. 2016.

________. Lei de diretrizes e bases da educação nacional nº 9394/96. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2016.

BRITO, Vivina. El foro electrónico: uma herramienta tecnológica para facilitar elaprendizaje colaborativo. Edutec-e. Revista Electrónica de Tecnologia Educativa. Espanha; v.1; n.17; mar. 2004.

FACULDADE XXX (XXX). XXX Disponível em: Omitido para submissão. Acesso em: 23 mar. 2016.

FLORES, Angelita Marçal. O feedback como recurso para a motivação e avaliação da aprendizagem na educação a distância. In: 15º Congresso Internacional ABED de Educação a Distância, Fortaleza (CE), 2009.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. 148p.

ILLERA, José Luis Rodriguez. Como as comunidades virtuais de prática e de aprendizagem podem transformar a nossa concepção de educação. Sísifo: Revista de Ciências da Educação. Lisboa, nº 3. p.117-124. Mai/Ago 2007.

ISLER, Gustavo Lima.; MACHADO, Afonso Antonio. Motivação discente em cursos na modalidade à distância (EaD): fatores que influenciam. Revista NUPEM, Campo Mourão/PR, v.5, n.9, P.67-84. jul./dez., 2013.

KENSKI, Vani Moreira. Tecnologias e tempo docente. Campinas: Papirus, 2013. 171p.

LEVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999. 231p.

MATTA, Alfredo Eurico Rodrigues. Comunidades em rede de computadores: abordagem para a Educação a Distância – EAD acessível a todos. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância. (on-line). São Paulo, 2003. Disponível em:

http://www.abed.org.br/revistacientifica/Revista_PDF_Doc/2003_Comunidades_Rede_Computadores_Alfredo_Matta.pdf Acesso: 23 mar. 2016.

MOORE, Michael; KEARSLEY. Greg. Distance educacion: a systems view. Toronto: Thomson Wadsworth, 2001. 398p.

MUILENBURG, Lin; BERGE, Zane. Barriers to distance education: a factor-analytic study. The American Journal of Distance Education. 15(2): 7-22, 2001.

NEVADO, Rosane Aragón de; MAGDALENA Beatriz Corso; COSTA, Iris Elisabeth Tempel Costa. Formação de professores multiplicadores: nte@projetos.cooperativos.ufrgs.br. In: MORAES, Maria Cândida (org.). Educação a distância: fundamentos e práticas. São Paulo: Unicamp, 2002, p.51-60.

PAVESI, Marilza Aparecida; OLIVEIRA, Diene Eire de Mello Bortotti. Motivação do aluno na educação a distância. IX ANPEd Sul. Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul, 2012. Disponível em: http://www.portalanpedsul.com.br/admin/uploads/2012/GT16___Educacao,_Comunicacao_e_Tecnologias/Trabalho/03_19_30_GT_16_-_Marilza_Aparecida_Pavesi.pdf Acesso em: 23 mar. 2016.

______. Qual o lugar da motivação nas pesquisas sobre EaD? In: X Congresso Nacional de Educação - Educere e I Seminário Internacional de Representações Sociais, Subjetividade da Educação – SIRSSE. Curitiba: PUC, 2011. 6282-6295p.

Disponível em: http://educere.bruc.com.br/CD2011/pdf/5408_3156.pdf Acesso em: 23 mar. 2016.

PERRENOUD, Philippe. Dez novas competências para ensinar: convite à viagem. Porto Alegre: Artmed, 2000. 192p.

PIAGET, Jean. Estudos sociológicos. Rio de Janeiro: Forense, 1973. 233p.

SILVA, Sandra Gonçalves da. Fórum educacional digital: dialogismos e construção do conhecimento. 2009. 161p. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009.

SILVA, Marco. Educação a distância (ead) e educação on-line (eol) nas reuniões do gt16 da anped (2000-2010). Revista Teias. v.13, n.20, p.95-118, set/dez.2012. Disponível em: <http://www.periodicos.proped.pro.br/index.php/revistateias/article/view/1362>. Acesso em: 02 dez. 2015.

TAVARES, Romero. Construindo mapas conceituais. Revista Ciências & Cognição 2007; Vol 12: 72-85. Diponível em: http://www.cienciasecognicao.org/pdf/v12/m347187.pdf Acesso em: 23 mar. 2016.

VENTURA, Paula Patrícia Barbosa. Comunidades de aprendizagem em cursos a distância: investigando as relações sociais em ambientes virtuais. 2009. 153p. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Educação. Fortaleza, 2009.

Downloads

Publicado

2017-04-19

Como Citar

VENTURA, P. P. B. SOCIALIZAÇÃO EM FÓRUNS VIRTUAIS – PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA CURSOS DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL. Informática na educação: teoria &amp; prática, Porto Alegre, v. 19, n. 3 set/dez, 2017. DOI: 10.22456/1982-1654.63288. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/InfEducTeoriaPratica/article/view/63288. Acesso em: 10 ago. 2022.