Alguns Problemas para a Determinação de um Campo da Fotografia e Novas Distensões Provocadas pela Imagem Digital

Autores

  • Camila Monteiro Schenkel Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-1654.62274

Palavras-chave:

Fotografia, Imagem digital, Campo expandido

Resumo

O presente artigo propõe uma reflexão sobre a especificidade da fotografia e as transformações proporcionadas pelo desenvolvimento da fotografia digital. Marcada desde o início por uma heterogeneidade de usos e processos, a imagem fotográfica parece ter recusado, desde sua invenção, uma definição específica de meio, englobando diversas técnicas. A essa originária falta de contornos da fotografia soma-se agora a consolidação da tecnologia digital, que, nos últimos anos, transformou definitivamente nossa relação com as imagens. Tomando como marco a discussão em torno da ideia de “campo ampliado” apresentada por Rosalind Krauss e escritos teóricos recentes sobre a imagem fotográfica, este estudo procura contribuir para a compreensão da fotografia digital a partir de duas questões principais: 1. É possível circunscrever a fotografia dentro de um campo, mesmo que ampliado? 2. Como a fotografia digital se relaciona com os diferentes procedimentos e usos reunidos, a partir da metade do século XIX, sob o nome fotografia?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Monteiro Schenkel, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

CAMILA SCHENKEL é artista plástica, doutoranda em em História, Teoria e Crítica da Arte no PPGAV da UFGRS. É mestre em Artes Visuais pelo mesmo programa e bacharel em Artes Visuais com ênfase em Fotografia e História, Teoria e Crítica da Arte pelo Instituto de Artes da UFRGS. Foi professora temporária da Bacharelado em História da Arte da UFRGS nos anos de 2012 e 2013 e atualmente é Coordenadora do Programa Educativo da Fundação Iberê Camargo. 

Referências

BARTHES, Roland. A câmara clara: nota sobre a fotografia. Lisboa: Edições 70, 2012.

BENJAMIN, Walter. “Pequena história da fotografia”. In: _____. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 2012.

COLEMAN, A.D. The Digital Evolution: Visual Communication in the Eletronic Age – Essays, Lectures and Interviews, 1967 – 1998. Nazraeli Press, 1998.

DUBOIS, Philippe. O ato fotográfico e outros ensaios. Campinas: Papirus, 1998.

DURAND, Régis. “Autonomía e heteronomía no campo fotográfico contemporâneo”. In: Além dos limites: a fotografia contemporânea – Ciclo de Conferências CGAC, Santiago de Compostela, 1999.

FLUSSER, Vilém. Filosofia da caixa preta: ensaios para uma futura filosofia da fotografia. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

FONTCUBERTA, Joan. O beijo de Judas: fotografia e verdade. Barcelona: Gustavo Gili, 2010.

_____. A câmera de Pandora: a fotografi@ depois da fotografia. São Paulo: Gustavo Gili Brasil, 2014.

FRIZOT, Michel (Ed.). Nouvelle historie de la photographie. Paris: Adam Biro/Bordas, 1994.

_____. “Fotografia: um destino cultural”. In: SANTOS, Alexandre; CARVALHO, Ana. Imagens: arte e cultura. Porto Alegre, Editora da UFRGS, 2012.

KRAUSS, Rosalind. “Uma visão do modernismo”. In: FERREIRA, Glória; COTRIM, Cecília (Orgs.). Clement Greenberg e o debate crítico. Rio de Janeiro, Ministério da Cultura/Funarte e Jorge Zahar Editor, 1997.

_____. “Os espaços discursivos da fotografia”. Arte e ensaios. Rio de Janeiro, ano __, n. 13, 2006

_____. “A escultura no campo ampliado”. Arte e ensaios. Rio de Janeiro, ano 15, n. 17, 2008.

¬¬MARRA, Claudio. L'immagine infedele: la falsa rivoluzione della fotografia digitale. Milano: Bruno Mondadori, 2006.

RITCHIN, Fred. Después de la fotografía. México: Editorial oceano, 2010.

ROUILLÉ, André. “Fotografia e arte contemporânea”. In: Fotografia e novas mídias. Rio de Janeiro: FotoRio, 2008.

_____. A fotografia: entre documento e arte contemporânea. São Paulo: SENAC, 2009.

_____. “La photo numérique mobile. Une esthétique autre”. Paris art. Paris, n. 445, 22 maio 2014. Disponível em <http://www.paris-art.com/art-culture-France/la-photo-numerique-mobile-une-esthetique-autre/rouille-andre/437.html#haut>. Acesso em julho de 2015.

SÁNCHEZ, Pedro a. Cruz. “El arte em su ‘fase póscrítica’: de la ontología a la cultura visual”. In: BREA, J. L. Estudios Visuales. Madri: Akal, 2005

OLIVARES, Rosa. “Os limites da fotografia: cartografias da fotografia contemporânea”. In: Além dos limites: a fotografia contemporânea – Ciclo de Conferências CGAC, Santiago de Compostela, 1999.

Downloads

Publicado

2018-08-23

Como Citar

MONTEIRO SCHENKEL, C. Alguns Problemas para a Determinação de um Campo da Fotografia e Novas Distensões Provocadas pela Imagem Digital. Informática na educação: teoria &amp; prática, Porto Alegre, v. 21, n. 1 Jan/Abr, 2018. DOI: 10.22456/1982-1654.62274. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/InfEducTeoriaPratica/article/view/62274. Acesso em: 8 ago. 2022.