O chat como dispostivo do aprender como acontecimento

Autores

  • Tânia Gomes Bischoff UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
  • Tania Galli Fonseca UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL -
  • Margarete Axt UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-1654.56212

Palavras-chave:

Aprendizagem. Chat. Dialogismo. Acontecimento. Educação à distância.

Resumo

O artigo aborda o aprender como acontecimento em Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVAs) a partir de um chat realizado entre uma tutora e duas alunas surdas de um curso na modalidade de Educação a Distância em Tecnologias Assistivas. Tendo como intercessores Bakhtin e Deleuze, o estudo analisa quando e de que forma se evidencia o aprender como acontecimento, ou seja, o aprender da ordem da criação, da invenção, da diferença nos modos de aprender dos sujeitos, nela implicados. O estudo faz uso do método cartográfico, para mapear outras vicissitudes do aprender no chat. O problema, aprender como acontecimento, é uma questão permanentemente colocada em análise, não se esgotando, mas incentivando o leitor a compreender os ambientes digitais de aprendizagem não só por sua ordem prescritiva e recognitiva, mas sim como incessante desvio de criação e produção de modos de aprender.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tânia Gomes Bischoff, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Informática em Educação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Tania Galli Fonseca, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL -

Professora Doutora dos Programas de Pós- Graduação em Informática em Educação e de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional na Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Margarete Axt, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

Professora Doutora nos Programa de Pós- Graduação em Informática em Educação e de Pós-Graduação em Educação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Referências

AMORIM, Marilia. O pesquisador e seu outro – Bakhtin nas ciências humanas. São Paulo, Musa Editora, 2004.

AXT, Margarete. Linguagem e telemática: tecnologias para inventar-construir conhecimento. Revista Educação Subjetividade & Poder. Porto Alegre: NESPE/UFRGS-UNIJUÍ, 1998, 5(5) p. 20-30, 1998.

AXT, Margarete, ELIAS, Carime Rossi. Autoria coletiva, ambientes virtuais e formação: de quando a aprendizagem reverbera o acontecimento. In: MARASCHIN; Cleci, FREITAS, Lia B. de Lucca, CARVALHO, Diana C. de (Org.). Psicologia e Educação: multiversos sentidos, olhares e experiências. Porto Alegre: UFRGS, 2003, v. 1, p. 259-277.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

COSTA, Rogério da. Sociedade de Controle. Revista São Paulo em perspectiva, 18(1): 161-167, 2004.

CRETELLA JR, José e CINTRA, Geraldo de Ulhôa. Dicionário latino-português. São Paulo: Cia Editora Nacional, 1953.

DELEUZE, Gilles. Espinosa: filosofia prática. São Paulo: Escuta, 2002.

______. Foucault. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1991.

______. Conversações. 2 ed. São Paulo: Ed. 34, 2010.

DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Félix. Mil platôs. Vol 1. São Paulo: Ed. 34, 1995a.

DELEUZE, Gilles e PARNET, Claire. Diálogos. São Paulo: Escuta, 1998.

FONSECA, Tania Mara Galli. Poéticas do virtual e os processos de subjetivação. Informática na educação: teoria e prática. Porto Alegre, v.8, n.1, jan./jun. 2005. ISSN 1516-084x, p.121-132.

FONSECA, Tania Mara Galli, KIRST, Patrícia G, OLIVEIRA, Andreia M., DÁVILA, Maria Fátima, MARSILAC, Ana Lúcia. Pesquisa acontecimento: o toque no impensado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, UFRGS. Porto Alegre, 2005a (mimeo).

FONSECA, Tania Mara Galli, NASCIMENTO, Lívia, MARASCHIN, Cleci. Pesquisar na diferença: um abecedário. Porto Alegre: Sulina, 2012.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. 40 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

GORZ, André. O imaterial: conhecimento, valor e capital. São Paulo: Annablume, 2005.

KASTRUP, Virgínia. Aprendizagem, arte e invenção: In Psicologia em Estudo, Maringá, v. 6, n. 1, p. 17-27, jan./jun. 2001.

________. Políticas da cognição. Porto Alegre: Sulina, 2008.

LEVY, Tatiana. O fora como o (não-) espaço da literatura. Rio de Janeiro: Pazulin, 2007.

SILVA, Andrezza Regina Lopes da; SPANHOL, Fernando Jose. Design instrucional e construção do conhecimento na EAD. Jundiaí: Paco Editorial, 2014.

SIMONDON, Gilbert. El modo de existencia de los objetos técnicos. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2007.

SPINOZA, B. Ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

ZARIFIAN, Philippe. Objetivo competência: por uma nova lógica. São Paulo, Atlas, 2008.

Downloads

Publicado

2016-01-16

Como Citar

BISCHOFF, T. G.; FONSECA, T. G.; AXT, M. O chat como dispostivo do aprender como acontecimento. Informática na educação: teoria & prática, Porto Alegre, v. 18, n. 2, 2016. DOI: 10.22456/1982-1654.56212. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/InfEducTeoriaPratica/article/view/56212. Acesso em: 17 ago. 2022.