Instituto de Hackers: O pensamento computacional aplicado ao ensino médio integrado profissionalizante

Autores

  • Leandro Delgado de Souza Instituto Federal do Paraná
  • Elisângela Valevein Rodrigues Instituto Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-1654.109902

Palavras-chave:

Educação Profissional, Pensamento Computacional, Aprendizagem Situada.

Resumo

O pensamento computacional desperta criatividade, espírito crítico, raciocínio lógico e a construção passo a passo de soluções do mundo real, por meio de fundamentos e técnicas computacionais. Dessa forma esta pesquisa busca relacionar a promoção do ensino por meio do pensamento computacional no ensino médio integrado, de uma instituição pública focada em educação profissional. Foi realizada uma oficina de curta duração, utilizando linguagem de programação visual por blocos, com ferramentas como o Code.Org e Scratch. A oficina teve sua construção e concepção baseados na teoria de aprendizagem situada, de Jean Lave. Foi aplicada em dois momentos com turmas distintas e, ao final de sua aplicação foi avaliada pelos estudantes. Notou-se resultado positivo e motivador quanto à metodologia utilizada e à linguagem de blocos. Assim, considera-se que este estudo atendeu satisfatoriamente aos objetivos apresentados e que, novas propostas de ensino utilizando-se dessas premissas, possuem caráter válido e pertinente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, E. G. de. Aprendizagem situada. Texto Livre: Linguagem e Tecnologia, v. 7, n. 1, 31 jul. 2014.

ARAUJO, R. M. de L.; FRIGOTTO, G. Práticas pedagógicas e ensino integrado. Revista Educação em Questão, v. 52, n. 38, p. 61-80, 2015.

ARMANDO, J. Integração do pensamento computacional no currículo da educação básica: diferentes estratégias usadas e questões de formação de professores e avaliação do aluno. e-Curriculum, São Paulo, v. 14, n. 6, p. 34, 2016.

BATISTA, R. M.; HORTA, E. G.; FONSECA, A. R. Programação em blocos: impacto de um projeto de extensão executado em Escolas públicas de Diamantina/MG. Informática na educação: teoria & prática, v. 23, n. 2, 22 nov. 2020.

BORGES, L. G.; PAEZ, G. R.; BELTHER, J. M. Aprendizagem situada: análise de uma atividade situacional. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 12., 2016,São Paulo, p. 12. Disponível em: http://www.sbem.com.br/enem2016/anais/pdf/4892_2352_ID.pdf. Acesso em: 3 mar. 2021.

BRACKMANN, C. et al. Pensamento Computacional Desplugado: Ensino e Avaliação na Educação Primária Espanhola. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO, 6., 27 out. 2017, Recife, Pernambuco. Disponível em: http://www.br-ie.org/pub/index.php/wcbie/article/view/7487. Acesso em: 27 ago. 2018

BRASIL. Lei no 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências.Diário Oficial da União, Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11892.htm. Acesso em: 3 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Um novo modelo em educação profissional e tecnológica: concepções e diretrizes. Brasília, DF: Ministério da Educação; Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=6691-if-concepcaoediretrizes&category_slug=setembro-2010-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 3 mar. 2021.

CIAVATTA, M.; RAMOS, M. Ensino Médio e Educação Profissional no Brasil. Revista Retratos da Escola, v. 5, n. 8, p. 27-41, 2011.

DE JESUS, A.; BRITO, G. S. Concepção de ensino-aprendizagem de algoritmos e programação de computadores: a prática docente. In: ENINED –ENCONTRO NACIONAL DE INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO, 1., 2009, p. 10. Disponível em: https://www.inf.unioeste.br/enined/2009/anais/enined/A15.pdf. Acesso em: 3 mar. 2021.

FERNANDES, H. B.; SILVEIRA, I. F. A plataforma CODE.ORG online: desenvolvendo do pensamento computacional e a matemática.Revista Atlante: Cuadernos de Educación y Desarrollo, agosto 2017,p. 7. Disponível em: https://www.eumed.net/rev/atlante/2017/08/matematica-pensamento-computacional.html. Acesso em: 3 mar. 2021.

FONTES, C. R.; SILVA, F. W. O. da. O ensino da disciplina linguagem de programação em escolas técnicas, v. 13, n. 2, 2008.

FORBELLONE, A. L. V.; EBERSPACHER, H. F. Lógica de programação: a construção de algoritmos e estrutura de dados. 3. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2005.

FRIGOTTO, G. A relação da educação profissional e tecnológica com a universalização da educação básica. Educação & Sociedade, v. 28, n. 100, p. 1129-1152, out. 2007.

JUNQUEIRA, S. H. F. Ensino de lógica de programação com o uso de ferramenta visual voltada para dispositivos móveis com Android. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCÃO, 36., João Pessoa, PB, de 3 a 6 de outubro de 2016, p. 16, 2016. Disponível em: http://www.abepro.org.br/biblioteca/TN_STO_235_367_30052.pdf. Acesso em: 3 mar. 2021.

LAVE, J. A prática da aprendizagem. In: ILERIS, K. (org.). Teorias contemporâneas da aprendizagem. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 235-245.

MARIMON BOUCINHA, R. et al. Construção do pensamento computacional através do desenvolvimento de games. Renote, v. 15, n. 1, 28 jul. 2017.

MOSER, A.; SCHNEIDER, E. I.; MEDEIROS, L. F. de. A aprendizagem situada nas comunidades de prática: uma aproximação fenomenológica. Revista de Informática Aplicada, v. 9, p. 7, 2013.

PRETTO, N. Redes colaborativas, ética hacker e educação. Educação em Revista, v. 26, n. 3, p. 305-316, dez. 2010.

QUADROS, C. E. P. de; BICHO, A. de L.; ADAMATTI, D. F. A teoria das inteligências múltiplas contextualizada com educação, neurociência e pensamento computacional: uma revisão de literatura. Informática na Educação: Teoria &Prática, v. 23, n. 2, p. 21,maio/ago., 2020. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/InfEducTeoriaPratica/article/view/103787. Acesso em: 3 mar. 2021.

RAMOS, J. L.; ESPADEIRO, R. G.Pensamento computacional na escola e práticas de avaliação das aprendizagens. uma revisão sistemática da literatura. 2015. p. 21. Disponível em: https://dspace.uevora.pt/rdpc/bitstream/10174/14227/1/challenges%202015br.pdf. Acesso em: 3 mar. 2021.

RIBEIRO, L.; FOSS, L.; CAVALHEIRO, S. A. da. C.Entendendo o pensamento computacional. 2017. p. 19.

SAVIANI, D. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação, v. 12, n. 34, p. 152-165, abr. 2007.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE COMPUTAÇÃO. Diretrizes para ensino de computação na educação básica. Disponível em: https://www.sbc.org.br/educacao/diretrizes-para-ensino-de-computacao-na-educacao-basica. Acesso em: 3 mar. 2021.

SOUZA, E. C. DE; YONEZAWA, W. M. Programação no ensino de matemáticautilizando Processing 2: um estudo dasrelações formalizadas por alunos do ensinofundamental com baixo rendimento emmatemática. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 11, n. 1, p. 270-301, 2018.

VON WANGENHEIM, C. G. et al. dETECT: a model for the evaluation of instructional units for teaching computing in middle school. Informatics in Education, v. 16, n. 2, p. 301-318, 30 set. 2017.

VON WANGENHEIM, C.; RODRIGUES NUNES, V.; DOS SANTOS, G. D. Ensino de Computação com SCRATCH no Ensino Fundamental – um estudo de caso. Revista Brasileira de Informática na Educação, v. 22, n. 3, p. 115, 23 nov. 2014.

WEINTROP, D.; WILENSKY, U. Comparing block-based and text-based programming in high school computer science classrooms. ACM Transactions on Computing Education, v. 18, n. 1, p. 1-25, 27 out. 2017.

WING, J. Computational thinking. COMMUNICATIONS OF THE ACM, v. 49, n. 3, 2006.

WING, J. Pensamento computacional – um conjunto de atitudes e habilidades que todos, não só cientistas da computação, ficaram ansiosos para aprender e usar. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 9, n. 2, 16 nov. 2016.

Downloads

Publicado

2021-06-10

Como Citar

SOUZA, L. D. de; RODRIGUES, E. V. Instituto de Hackers: O pensamento computacional aplicado ao ensino médio integrado profissionalizante. Informática na educação: teoria & prática, Porto Alegre, v. 24, n. 1 Jan/Abr, 2021. DOI: 10.22456/1982-1654.109902. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/InfEducTeoriaPratica/article/view/109902. Acesso em: 19 ago. 2022.