Percepções dos estudantes de enfermagem sobre a resolução de caso clínico a partir do simulador virtual

Autores

  • Michele Antunes Instituto de Ciências da Saúde – Universidade Feevale – Feevale, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7231-8099
  • Marta Rosecler Bez Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas – Universidade Feevale – Feevale, Brasil.
  • Gabriela Trindade Perry Programa de Pós-graduação em Informática na Educação – Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Brasil.
  • Marie Jane Soares Carvalho Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-1654.105726

Palavras-chave:

Educação em enfermagem, Simulação por computador, Processo de enfermagem.

Resumo

A simulação tem o potencial para desenvolver conhecimentos, habilidades e atitudes que auxiliem na formação de um profissional crítico e reflexivo, inserindo o estudante em diferentes contextos assistenciais. O objetivo geral desta pesquisa foi analisar as percepções dos estudantes de enfermagem quanto à resolução do caso clínico pelo simulador virtual. Trata-se de um estudo com abordagem qualitativa, com 40 estudantes de enfermagem de uma universidade do Sul do Brasil, por meio de entrevista. A análise de conteúdo permitiu identificar cinco subcategorias temáticas, dois subtemas e um tema. A experiência foi considerada mais proveitosa quando comparada com a forma que, atualmente, o conteúdo é ministrado em sala de aula, e emergiram dificuldades quanto à interface do simulador virtual e na realização do processo de enfermagem. A simulação virtual pode contribuir para a análise e a interpretação do estudo de caso, possibilitando o exercício do raciocínio clínico e da tomada de decisão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michele Antunes, Instituto de Ciências da Saúde – Universidade Feevale – Feevale, Brasil.

Doutora em Informática na Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestrado em Enfermagem na UFRGS. Especialista em Urgência e Emergência (UNINTER). Graduação em Enfermagem na UFRGS. Professora Assistente da Universidade Feevale.

Marta Rosecler Bez, Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas – Universidade Feevale – Feevale, Brasil.

Doutora em Informática na Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2013). Mestre em Ciência da Computação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2001) e graduada em Tecnólogo Em Processamento de Dados pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1991). Atualmente é professora da Universidade Feevale.

Gabriela Trindade Perry, Programa de Pós-graduação em Informática na Educação – Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Brasil.

Designer graduada pela Universidade Luterana do Brasil (2001), mestre em Ergonomia pelo PPGEP-UFRGS (2005), doutora em Informática na Educação pelo PPGIE-UFRGS (2010). Atualmente é professora associada da UFRGS.

Marie Jane Soares Carvalho, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Brasil.

Pós-Doutorado-UNED/Madrid. (2012).Doutora em Educação/UFRGS (1999). Estágio de Doutorado na University of Toronto (1997). Mestre em Educação (1990). Graduação em Pedagogia (1982). Professora Titular do Departamento de Ensino e Currículo/Faculdade de Educação/UFRGS. Docente no Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação (PPGIE).

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

BERRAGAN L. Simulation: an effective pedagogical approach for nursing? Nurse Education Today, v. 31, n. 7, p. 660–663, 2011.

BETTS, L. et al. Using Virtual Interactive Digital Simulator to Enhance Simulation Experiences for Undergraduate Nursing Students. Nursing Education Perspective, v. 41, n. 3, p.193-194, 2020.

BRANDÃO, C.; COLLARES, C.; MARIN, H. A simulação realística como ferramenta educacional para estudantes de medicina. Scientia Medica, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 187-192, 2014.

CARBOGIM, F. C. et al. Modelo de ensino ativo para o desenvolvimento do pensamento crítico. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 72, n 1, p. 305-10, 2019.

CARVALHO, A. O digital na educação humanista em saúde: uma reflexão sobre a inserção e potencialidades das tecnologias digitais, no apoio ao ensino técnico na Escola de Formação em Saúde – EFOS. 2017. 25 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Acompanhamento, Monitoramento e Avaliação) ─ Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde, Fundação Oswaldo Cruz, Escola de Enfermagem, UFRGS, Porto Alegre, 2017.

CARVALHO, E. C.; OLIVEIRA-KUMAKURA, A. R. S.; MORAIS, S. C. R. V. Raciocínio clínico em enfermagem: estratégias de ensino e instrumentos de avaliação. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 70, n. 3, p. 662-668, 2017.

COSTA, J. R. B. et al. Formação médica na estratégia de saúde da família: percepções discentes. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 36, n. 3, p. 387-400, 2012.

COSTA, R. A simulação realística como estratégia de ensino-aprendizagem em enfermagem. Natal, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2014. 116 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Curso de Pós-graduação stricto sensu em Enfermagem, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2014.

COSTA, R. et al. Tipos e finalidades da simulação no ensino de graduação em enfermagem: revisão integrativa da literatura. Revista Baiana de Enfermagem, Salvador, v. 30, n. 3, p. 1-11, 2016.

DAHER, S. et al. The Physical-Virtual Patient Simulator. Simulation in Healthcare, v. 15, n. 2, p. 115-121, 2020.

DEV, P.; HEINRICHS, L. R.; YOUNGBLOOD, P. Y. CliniSpace: a multiperson 3D online immersive training environment accessible through a browser. Studies in Health Technology and Informatics, v. 163, p. 173-179, 2011.

FONSECA, L. M. et al. Computer and laboratory simulation in the teaching of neonatal nursing: innovation and impact on learning. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v.24, 2016.

FONSECA, L. M. et al. Serious game e-Baby: nursing students’ perception on learning about preterm newborn clinical assessment. Revista Brasileira de Enfermagem, v.68, p. 9–14, 2015.

FORSBERG, E. et al. Assessing progression of clinical reasoning through virtual patients: an exploratory study. Nurse Education in Practice, v. 16, p. 97-103, 2015. Disponível em: <https://doi.org/10.1016/j.nepr.2015.09.006>. Acesso em: 28 mar. 2020.

HOLZINGER, A. et al. Learning performance with interactive simulations in medical education: lessons learned from results of learning complex physiological models with the HAEMOdynamics SlMulator. Computers & Education, v. 52, n. 2, p. 292-301, 2009.

JÜTTEN, L.H. et al. Testing the effectivity of the mixed virtual reality training Into D'mentia for informal caregivers of people with dementia: protocol for a longitudinal, quasi-experimental study. BMJ Open, v. 7, n. 8, 2017.

KER J.; BRADLEY, P. Simulation in medical education. Association for the Study of Medical Education, Edinburgh, 2007.

KOIVISTO, J. et al. Learning by playing: a cross-sectional descriptive study of nursing students’ experiences of learning clinical reasoning. Nurse Education Today, 45, 22-28, 2016a.

______. Elements explaining learning clinical reasoning using simulation games. International Journal of Serious Games, v. 3, n. 4, p. 29-43, 2016b.

LEWETT-JONES, T. et al. The ‘five rights’ of clinical reasoning: an educational model to enhance nursing students’ ability to identify and manage clinically ‘at risk’ patients. Nurse Education Today, v. 30, n. 6, p. 515-520, 2010.

LIMA, A. et al. Projeto para desenvolvimento do simulador Health Simulator. In: COMPUTER ON THE BEACH, 2015. Florianópolis. Anais. Florianópolis, 2015. p. 279-288.

MARTINS, J. et al. A experiência clínica simulada no ensino de enfermagem: retrospectiva histórica. Acta Paulista de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 25, n. 4, p. 619-25, 2012.

MÁRTIRES, M. et al. Promoção de competências de pensamento crítico em estudantes de enfermagem. Revista Lusófona de Educação, v. 44, n. 44, p. 159-172, 2019.

McLAUGHLIN, S.; FITCH, M.; GORDON, J. Simulation in graduate medical education 2008: a review for emergency medicine: official medicine. Academic Emergency Journal of The Society for Academic Emergency Medicine, v. 15, n. 11, p. 1117-1129, 2008.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2007.

ORTON, E.; MULHAUSEN, P. E-learning virtual patients for geriatric education. Gerontology & Geriatrics Education, v. 28, n. 3, p.73-88, 2008.

PADILHA, J. M. et al. Clinical virtual simulation in nursing education. Clinical Simulation in Nursing, v. 15, n. C, p. 13-18., 2018.

PATON, C. et al. LIFE: life-saving instruction for emergencies, a serious game for mobile devices and VR. In: Brown J, Kostkova P, Wood C, eds. 3rd UCL centre for behaviour change digital health conference 2017: harnessing digital technology for behaviour change. London: UCL Centre for Behaviour Change and the Institute for Digital Health, 2017.

RETAIN Labs Medical Inc. RETAIN neonatal resuscitation. 2018 https://www. playretain.com

SANDOVAL, W. A.; BELL, P. Design-based research methods for studying learning in context: introduction. Education Psychologist, v. 39, n. 4, p. 199-201, 2004.

SANINO, G. O uso da simulação em enfermagem no curso técnico de enfermagem. Journal of Health Informatics, São Paulo, v. 4, n. esp., p. 148-151, 2012.

SILVA, A. S. R. et al. O jogo como facilitador do processo ensino-aprendizagem da Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE): aprende ou “Sae”. Anais do Seminário Tecnologias Aplicadas a Educação e Saúde, 2017.

STAHNKE, F. R.; BARROS, P. R. M.; BEZ, M. R. Problematização e o uso de simuladores na educação permanente em saúde. In: ALVES, C.L S.; PAPAIZ, F.; ARAÚJO, B. G. (Org.). Gestão de recursos humanos em saúde mediada por tecnologia: seguindo a trilha da inovação. 1. ed. Natal: EDUFRN/SEDISUFRN, 2017. p. 259-289.

TEMPAKI, P.; MARTINS, M. Modelos teóricos do processo ensino-aprendizagem aplicados às estratégias educacionais de simulação. In: SCALABRINI NETO, A.; FONSECA, A.; BRANDÃO, C. Simulação realística e habilidades na Saúde. Rio de Janeiro: Atheneu, 2017. p. 01-10.

WANG, F.; HANNAFIN, M. J. Design-based research and technology-enhanced learning environments. Educational Technology Research & Development, v. 53, n. 4, p. 5-23, 2005.

WINTERS, N.; MOR, Y. IDR: a participatory methodology for interdisciplinary design in technology enhanced learning. Computers & Education, v. 50, p. 579-600, 2008.

ZIV, A.; BEN-DAVID, S.; ZIV, M. Simulation based medical education: an opportunity to learn from errors. Medical Teacher, v. 27, p. 193-199, 2005.

Downloads

Publicado

2021-06-10

Como Citar

ANTUNES, M.; BEZ, M. R.; PERRY, G. T.; CARVALHO, M. J. S. Percepções dos estudantes de enfermagem sobre a resolução de caso clínico a partir do simulador virtual. Informática na educação: teoria &amp; prática, Porto Alegre, v. 24, n. 1 Jan/Abr, 2021. DOI: 10.22456/1982-1654.105726. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/InfEducTeoriaPratica/article/view/105726. Acesso em: 12 ago. 2022.