O game como recurso didático: intervenção pedagógica abordando conceitos aritméticos no ensino fundamental – anos iniciais

Autores

  • Rodrigo Thoaldo da Silva
  • Anderson Roges Teixeira Góes Universidade Federal do Paraná - UFPR

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-1654.101946

Palavras-chave:

Educação Matemática. Game. Software educacional.

Resumo

Este artigo apresenta a investigação realizada utilizando um game, Tux of Math Command, com o objetivo de verificar as constituições desta tecnologia digital na educação básica. Com o game foram abordados conceitos matemáticos buscando experiências para tornar o ambiente escolar atrativo e facilitador de aprendizagem utilizando da ludicidade, uma vez que possui interface com animações e imagens. A metodologia utilizada nesta pesquisa é de abordagem qualitativa descrevendo a prática do professor-pesquisador em sala de aula e observando os estudantes frente à utilização de software educativo. Referente a área de conhecimento escolar, matemática, os resultados desta investigação mostram que o game analisado contribui com a consolidação dos conceitos e do pensamento aritmético. Ainda, podemos afirmar que o game intensifica a relação estudante-estudante e estudante-professor promovendo o processo de ensino e aprendizagem, a interação participante-game e a sociointeração em sala de aula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anderson Roges Teixeira Góes, Universidade Federal do Paraná - UFPR

Departamento de Expressão Gráfica e Programa de Pós-graduação em Educação: Teoria e Prática de Ensino.

Referências

ALMEIDA, D. L. de; SANTOS, F. D. Mapeamento das competências matemáticas por meio de um jogo online. Revista Novas Tecnologias Educacionais. Porto Alegre, v. 15, n.1, p 1-10, jul, 2017.

ALMEIDA, M. E. B. Gestão de tecnologias, mídias e recursos na escola: o compartilhar de significados. Em Aberto, Brasília, v. 22, n. 79, p. 75-89, jan. 2009.

BORBA, M. C. Softwares e internet na sala de aula de matemática. In: X Encontro Nacional de Educação Matemática, 2010, Salvador/BA. Anais.... Salvador: SBEM, 2010.

BOUCINHA, R. M.; BRACKMANN, C. P.; BARONE, D. A. C.; CASALI, A. Construção do pensamento computacional através do desenvolvimento de games. Revista Novas Tecnologias Educacionais. Porto Alegre, v. 15, n. 1, p 1-10, jul, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2ª versão, 2016.

BRITO, G. S.; PURIFICAÇÃO, I. “Pescópia” no ciberespaço: uma questão de atitude. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 5, n.15, p.75-86, mai./ago. 2005.

GÓES, A. R. T.; GÓES, H. C. A expressão gráfica como tecnologia educacional na educação matemática - recursos didáticos para o processo de ensino-aprendizagem na Educação Básica. In: FOFONCA, E.; et al. Metodologias pedagógicas inovadoras: contextos da educação básica e da educação superior. v. 2, Curitiba: Editora IFPR, 2018. p.137-151.

GONÇALVES, M. L. C. O uso do jogo on-line como possibilidade de aprendizagem da Matemática. Revista Novas Tecnologias Educacionais. Porto Alegre, v. 8, n. 3, p 1-7, dez, 2010.

IFRAH, G. Os números: história de uma grande invenção. Tradução de Stella Maria de Freitas Senra. 11. ed. São Paulo: Globo, 2005.

JOHNSON, S. Surpreendente! A televisão e o videogame nos tornam mais inteligentes. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

KAMPFF, A. J. C. Tecnologia da Informação e Comunicação na Educação. 1ª ed. Curitiba: IESDE, 2009.

KENSKI, V. M. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas, SP: Papirus, 2015.

LÉVY, P. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. 2. Ed. São Paulo: Editora 34, 2000.

MEDEIROS, H. B.; MIRANDA, A. C. Jogos Computacionais: uma proposta interdisciplinar de educação ambiental. Revista Novas Tecnologias Educacionais. Porto Alegre, v. 9, n. 2, p 1-10, dez, 2011.

MOITA, F. Game-on: jogos eletrônicos na escola e na vida da geração@. Campinas: Alínea, 2007.

MOYSÉS, L. Aplicações de Vygotsky à Educação Matemática. 5 ed. Campinas, SP: Papirus, 2003.

OLIVEIRA, C. C.; COSTA, J. W.; MOREIRA, M. Ambientes informatizados de aprendizagem: produção e avaliação de software educativo. Campinas, SP: Papirus, 2001.

PRIMO, A. Interação mútua e reativa: uma proposta de estudo. Revista da Famecos, n. 12, p. 81-92, jun. 2000.

REGO, T. C. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. Rio de Janeiro: Vozes, 2001.

SANTOS, R. S.; BASSO, M. V. A. Tecnologias digitais na sala de aula para aprendizagem de conceitos de geometria analítica: manipulação do software Grafeq. In: GRAVINA, E. Z. et al. (org.). A Matemática na Escola: novos conteúdos, novas abordagens. Porto Alegre: Editora da Ufrgs, 2012.

SEVERGNINI, F. Alice e o Mistério dos Algoritmos: um serious game como ferramenta de aprendizagem de lógica de programação para crianças. Revista Novas Tecnologias Educacionais. Porto Alegre, v. 16, n. 1, p 1-10, jul, 2018.

TEIXEIRA JUNIOR, R. C.; TRASPADINI, A. T.; SANT´ANA, V. A.; NASCIMENTO, D. B.; NUNES, V. B.; NOBRE, I. A. M. Finance game: um jogo de apoio à educação financeira. Revista Novas Tecnologias Educacionais. Porto Alegre, v. 13, n. 1, p 1-10, jul, 2015.

VALENTINI, C. B.; SOARES, E. M. S. Aprendizagem em ambientes virtuais: compartilhando ideias e construindo cenários. Rio Grande do Sul: Educs, 2010.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

SILVA, R. T. da; GÓES, A. R. T. O game como recurso didático: intervenção pedagógica abordando conceitos aritméticos no ensino fundamental – anos iniciais. Informática na educação: teoria & prática, Porto Alegre, v. 23, n. 3 Set/Dez, 2020. DOI: 10.22456/1982-1654.101946. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/InfEducTeoriaPratica/article/view/101946. Acesso em: 16 ago. 2022.