INVISIBILIDAD INDÍGENA EN LA MEMORIA DE LA COLONIZACIÓN RECIENTE DE PARAGUAY

Autores

  • Jorge Eremites de Oliveira UFPel - Universidade Federal de Pelotas
  • Andressa Szekut

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-6524.91106

Palavras-chave:

Pueblos Indígenas en Paraguay, Colonización, Historia Indígena, Memoria.

Resumo

En este artículo se hace una reflexión crítica del proceso de colonización reciente ocurrido en Paraguay durante el gobierno dictatorial del General Alfredo Stroessner (1954-1989) y la invisibilidad creada sobre comunidades indígenas establecidas en la región Oriental del país, con enfoque en el Distrito de Santa Rita, Departamento de Alto Paraná. El estudio fue realizado por medio de investigación bibliográfica y documental y a través de trabajo de campo etnográfico. En el texto se presentan datos que muestran la presencia indígena en Paraguay y se analizan discursos de migrantes brasileños, los cuales producen una invisibilidad en relación a la presencia de pueblos originarios en la porción oriental del Paraguay, aunque los mismos estén presentes en la región desde antes de la colonización oficial y allí permanecen hasta el presente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Eremites de Oliveira, UFPel - Universidade Federal de Pelotas

O pesquisador é licenciado em História pela UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (1991), mestre e doutor em História/Arqueologia pela PUCRS - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1995, 2002) e realizou estágio de pós-doutoramento em Antropologia Social pelo Museu Nacional, UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro (2011). De maio de 1996 a dezembro de 2005 foi docente no antigo Campus de Dourados da UFMS, unidade da qual foi implantada, em janeiro de 2006, a UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados, onde permaneceu até janeiro de 2013. Também foi vice-presidente da SAB - Sociedade de Arqueologia Brasileira, gestão de 2005-2007. Desde janeiro de 2013 é professor e pesquisador na UFPel - Universidade Federal de Pelotas, onde está lotado no Departamento de Antropologia e Arqueologia do Instituto de Ciências Humanas. Nesta mesma instituição atua no curso de graduação em Antropologia e no Programa de Pós-Graduação em Antropologia, os quais funcionam por meio da articulação entre os campos da Antropologia Social e da Arqueologia. Na UFPel também faz parte do corpo docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural e da equipe de pesquisadores do LÂMINA - Laboratório Multidisciplinar de Investigações Arqueológicas. Na condição de colaborador ainda participa do corpo docente dos programas de pós-graduação em Antropologia (vinculado desde 2010) e História (vinculado desde 2002) da UFGD. Também é bolsista de produtividade em pesquisa, nível 1D, do CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Possui experiências nos campos de Arqueologia, Antropologia Social e História, com ênfase em Etnoarqueologia, Etnologia Indígena e Etno-história, além de ter trabalhado na produção de laudos de natureza administrativa e judicial sobre terras tradicionalmente ocupadas por comunidades indígenas no Brasil.

Andressa Szekut

Professora dos cursos de Turismo e Hotelaria (Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Brasil) e Coordenadora de Pesquisa do Instituto Polo Internacional Iguaçu.

Publicado

2019-12-31

Como Citar

DE OLIVEIRA, J. E.; SZEKUT, A. INVISIBILIDAD INDÍGENA EN LA MEMORIA DE LA COLONIZACIÓN RECIENTE DE PARAGUAY. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 13, n. 2, p. 41, 2019. DOI: 10.22456/1982-6524.91106. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/EspacoAmerindio/article/view/91106. Acesso em: 28 jan. 2023.

Edição

Seção

ARTIGOS