É POSSÍVEL FAZER UMA ETNOGRAFIA DAS ESCOLAS? O CASO DA FRONTEIRA AMAZÔNICA BRASIL-COLÔMBIA E DOS POVOS TICUNA E MURUI-MUINA

Autores

  • Mauricio Caviedes

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-6524.73313

Palavras-chave:

Povos Indígenas, Etnologia, Amazônia, Colômbia, Brasil, Educação Indígena

Resumo

Neste artigo explica-se o método da análise da linguagem a partir de dados recolhidos por meio da observação etnográfica nas escolas indígenas dentro do projeto de pesquisa de pós-doutorado “A educação da mulher indígena: contradições da identidade nas escolas indígenas Murui-Muina e Tikuna, na Amazônia da Colômbia e do Brasil”, que faz parte do Núcleo de Antropologia das Sociedades Indígenas e Tradicionais de PPGAS-UFRGS. O artigo utiliza entrevistas com professores e professoras indígenas para entender, por meio da análise da linguagem, as experiências que influenciam a identidade indígena e a relação dela com a identidade de gênero, no contexto do ensino escolar. Baseado nessas entrevistas, o artigo sugere desafios para futuras pesquisas sobre a educação escolar indígena na Amazônia. Com o intuito de refletir sobre a desigualdade entre conhecimentos universais e indígenas, o artigo explica primeiro os antecedentes antropológicos da análise da linguagem; a seguir, apresenta a influência da linguagem na identidade étnica e, finalmente, descreve a linguagem dos professores para entender a influência da educação escolar na experiência de ser indígena e apresenta os desafios futuros nesse campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mauricio Caviedes

Antropólogo formado na Universidad Nacional de Colombia, Mestre em Antropologia pela Universidad Nacional De Colombia, Doutor em Historia pela Universidade Nacional de Colombia, foi pós-doutorando do PPGAS-UFRGS entre outubro de 2015 e julho de 2017. Foi professor da Universidad Nacional de Colombia (2005-2011), professor da Pontificia Universidad Javeriana (2008 até o presente), diretor do Departamento de Antropologia da Pontificia Universidad Javeriana (2011-2014), ministrou aulas na graduaçao de Ciências Sociais como pós-doutorando do PPGAS-UFRGS. Entre 2001 e 2011 trabalhou com várias organizações indígenas para a defesa dos direitos dos povos indígenas.

Downloads

Publicado

2017-12-31

Como Citar

CAVIEDES, M. É POSSÍVEL FAZER UMA ETNOGRAFIA DAS ESCOLAS? O CASO DA FRONTEIRA AMAZÔNICA BRASIL-COLÔMBIA E DOS POVOS TICUNA E MURUI-MUINA. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 11, n. 2, p. 14, 2017. DOI: 10.22456/1982-6524.73313. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/EspacoAmerindio/article/view/73313. Acesso em: 30 jan. 2023.

Edição

Seção

ARTIGOS