COZINHA TERENA: NOVAS PRÁTICAS ALIMENTARES EM TEMPOS DE MUDANÇA

Autores

  • Everton Ferreira Lemos Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Grupo de Estudos e Pesquisas em Populações Indígenas
  • Dulce Lopes Barboza Ribas Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Maria Cristina Bignardi Pessôa Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Maria Helena Villas Boas Concone Puc/SP

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-6524.48897

Palavras-chave:

práticas alimentares, simbolismo, índios sul-americanos.

Resumo

Este estudo teve por objetivo identificar aspectos da cozinha terena, analisando a composição da dieta, as práticas alimentares e recomendações gerais em situações específicas da vida, como o puerpério e presença de doenças. O estudo foi de abordagem qualitativa com indivíduos terena, identificados como informantes-chave nas questões da comida e cozinha e residentes na Terra Indígena Buriti, Mato Grosso do Sul, Brasil. Os relatos evidenciaram significativas mudanças nas práticas alimentares, com destaque para as mudanças ocorridas na obtenção e plantio dos próprios alimentos, a introdução de alimentos industrializados e as preocupações com os resultados oriundos dos novos hábitos. A limitação da área disponível, a degradação ambiental e a presença de alimentos fornecidos na cesta básica foram indicadas como elementos que contribuem para alterações da dieta terena. A permanência da cozinha de taquarussu, o fogão a lenha, a conservação das carnes pela desidratação, os alimentos disponíveis no fogão, o local das refeições, a família reunida, os utensílios e as receitas transmitidas oralmente são elementos repletos de valores simbólicos da cultura terena. Novos estudos são necessários para aprofundamento de elementos aqui identificados e abordados como pequenos fragmentos da realidade, necessitando de maior discussão teórica sobre a rica experiência terena em contexto de mudança.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Everton Ferreira Lemos, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Grupo de Estudos e Pesquisas em Populações Indígenas

Enfermeiro. Mestre em Ciências da Saúde. Pesquisador no Grupo de Estudo e Pesquisas em Populações Indígenas - UFMS

Dulce Lopes Barboza Ribas, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Nutricionista. Pós doutorado em Antropologia. Diretora do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - CCBS. Coordernadora do GEPPI/UFMS

Maria Cristina Bignardi Pessôa, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Nutricionista. Mestre em Saúde e Desenvolvimento da região Centro Oeste. Pesquisadora no Grupo de Estudo e Pesquisas em Populações Indígenas - UFMS

Downloads

Publicado

2014-12-21

Como Citar

LEMOS, E. F.; BARBOZA RIBAS, D. L.; PESSÔA, M. C. B.; CONCONE, M. H. V. B. COZINHA TERENA: NOVAS PRÁTICAS ALIMENTARES EM TEMPOS DE MUDANÇA. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 8, n. 2, p. 87, 2014. DOI: 10.22456/1982-6524.48897. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/EspacoAmerindio/article/view/48897. Acesso em: 1 fev. 2023.

Edição

Seção

ARTIGOS