A PRESENÇA DE NÃO-ÍNDIOS NAS VILAS DE ÍNDIOS DE PORTO SEGURO: RELAÇÕES INTERÉTNICAS, TERRITÓRIOS MULTICULTURAIS E RECONFIGURAÇÃO DE IDENTIDADE – REFLEXÕES INICIAIS

Autores

  • Francisco Cancela Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-6524.2545

Palavras-chave:

vilas de índios, relações de contato, Capitania de Porto Seguro, identidade

Resumo

O presente artigo apresenta algumas reflexões sobre os contatos interétnicos entre índios e não-índios nas vilas de índios da Capitania de Porto Seguro, entre os anos de 1758 e 1820. Partindo da identificação dos sujeitos não-indígenas, buscamos apresentar a idéia de que as vilas de índios se transformaram em um território multicultural, onde brancos, mulatos, pardos, negros e índios mantiveram vários contatos condicionados ao contexto geral do processo de conquista e colonização da América portuguesa. Ao mesmo tempo, estas relações possibilitaram uma reconfiguração identitária, uma vez que forjaram experiências de solidariedade, de resistência e de percepção da própria condição em que viviam os índios e os degredados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Cancela, Universidade Federal da Bahia

Doutorando em História Social, pesquisa sobre as vilas de índios da Capitania de Porto Seguro (1758-1808) - UFBA

Downloads

Publicado

2007-12-29

Como Citar

CANCELA, F. A PRESENÇA DE NÃO-ÍNDIOS NAS VILAS DE ÍNDIOS DE PORTO SEGURO: RELAÇÕES INTERÉTNICAS, TERRITÓRIOS MULTICULTURAIS E RECONFIGURAÇÃO DE IDENTIDADE – REFLEXÕES INICIAIS. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 1, n. 1, p. 42, 2007. DOI: 10.22456/1982-6524.2545. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/EspacoAmerindio/article/view/2545. Acesso em: 9 fev. 2023.

Edição

Seção

ARTIGOS