VIOLÊNCIAS E RESISTÊNCIAS: POVOS INDÍGENAS DO BRASIL E O POVO PURUBORÁ DA ALDEIA APEROI – RO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-6524.111796

Palavras-chave:

Violências, resistências, povos indígenas, povo Puruborá, aldeia Aperoi.

Resumo

Desde a invasão do Brasil, a história dos povos indígenas foi marcada pela violência e violação de seus direitos, bem como pela resistência dos mesmos. Este artigo objetiva analisar as denúncias de violências e violações de direitos, especialmente, aquelas apontadas nos relatórios de violência contra os povos indígenas, elaborados pelo Conselho Indigenista Missionário (2014 a 2019), como também visibilizar as resistências dos indígenas. Para dialogar com esses dados, apresentam-se informações de duas pesquisas (mestrado e doutorado), desenvolvidas nos anos de 2014 a 2019 junto ao povo Puruborá da aldeia Aperoi, Seringueiras/RO. Os instrumentos utilizados para a produção de dados foram a observação participante – registrada em diário de campo, fotografias e vídeos –, análise documental e entrevista semiestruturada. A análise ocorreu por meio da triangulação das informações, da finalidade do texto e o referencial teórico empregado. A análise aponta as violações de direitos e as violências contra a pessoa, os povos indígenas isolados e de pouco contato, o patrimônio desses povos e a omissão do poder público. A sobrevivência desses povos decorre de sua organização e resistência histórica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anatália Daiane de Oliveira Ramos, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Linha de pesquisa "Movimentos Sociais, Política e Educação Popular". Graduada em Pedagogia pela Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Campus de Ji-Paraná e mestra em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia - UNIR, Campus de Porto Velho. Participante do Grupo de Pesquisa de Educação na Amazônia (GPEA) - UNIR - e Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Trabalho e Educação (GEPTE) - UFMT.

Marli Lúcia Tonatto Zibetti, Universidade Federal de Rondônia (UNIR)

Doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (USP). Docente do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Rondônia (UNIR), atuando na graduação e no Mestrado em Psicologia. Líder do Grupo Amazônico de Estudos e Pesquisas em Psicologia e Educação (GAEPPE) da UNIR. Vice Líder do Grupo Psicologia e Escolarização: políticas públicas e atividade profissional na perspectiva histórico-crítica da USP.

Edson Caetano, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e professor do Instituto de Educação (IE) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Trabalho e Educação (GEPTE) da UFMT.

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

RAMOS, A. D. de O.; ZIBETTI, M. L. T.; CAETANO, E. VIOLÊNCIAS E RESISTÊNCIAS: POVOS INDÍGENAS DO BRASIL E O POVO PURUBORÁ DA ALDEIA APEROI – RO. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 15, n. 2, p. 206, 2021. DOI: 10.22456/1982-6524.111796. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/EspacoAmerindio/article/view/111796. Acesso em: 31 jan. 2023.

Edição

Seção

ARTIGOS