A CLASSE DOS ESTADOS E A CISÃO INTRANSITIVA EM LÍNGUAS TUPÍ-GUARANÍ

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-6524.110736

Palavras-chave:

intransitividade cindida, família Tupi-Guarani, estatividade

Resumo

Os verbos intransitivos têm recebido atenção dos estudos linguísticos desde o início do Século XX, em razão de diferenciarem, em algum aspecto da morfologia ou da sintaxe de muitas línguas, subclasses com comportamentos distintos. A esse fenômeno se dá o nome genérico de Cisão Intransitiva (CI). Nas línguas Tupí-Guaraní (TG), as questões sobre a cisão intransitiva ganham tons ainda mais divergentes, uma vez que não há unanimidade entre os pesquisadores em reconhecer a existência de duas subclasses intransitivas, uma composta por verbos ativos, outra por estativos. Os critérios comumente empregados para distinguir classes lexicais não ajudam a resolver a questão: as línguas TG não apresentam classes formais produtivas de adjetivos, as diferentes classes de palavras compartilham material morfológico e as funções de predicado e argumento não são exclusivas de verbos e nomes, respectivamente. Este artigo tem por objetivo analisar o comportamento das palavras estativas e a cisão intransitiva atestada em quatro línguas da Família Tupí-Guaraní (FTG): o Tapirapé, o Guajá, o Emerillón e o Guaraní.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Cristina Rodrigues de Mattos, UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

Estudante de doutorado da Universidade de Brasilia, conduzindo pesquisa sobre subclasses intransitivas em línguas Tupi-Guarani e bolsista pela Capes.

Downloads

Publicado

2021-04-28

Como Citar

MATTOS, A. C. R. de. A CLASSE DOS ESTADOS E A CISÃO INTRANSITIVA EM LÍNGUAS TUPÍ-GUARANÍ. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 15, n. 1, p. 197, 2021. DOI: 10.22456/1982-6524.110736. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/EspacoAmerindio/article/view/110736. Acesso em: 9 fev. 2023.

Edição

Seção

ENSAIOS BIBLIOGRÁFICOS