CONSTITUCIONALISMO E COLONIALIDADE: NOVO CONSTITUCIONALISMO LATINO-AMERICANO E O DIREITO DA PALAVRA DA TRADIÇÃO AFRICANA COMO RESISTÊNCIA NA MODERNIDADE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-6524.105018

Palavras-chave:

decolonialidade, modernidade, constitucionalismo latino-americano, juridicidade africana.

Resumo

O objeto discutido é a unidade da abstração constitucional e a pluralidade do mundo empírico das subalternidades produzidas pela colonialidade, tendo como questão orientadora: como enfrentar à unicidade do projeto modernidade/colonialidade para expressar a pluralidade no constitucionalismo dos povos subalternizados? Com o pressuposto de que o enfrentamento ocorre com a revelação do que foi ocultado e valorização do inferiorizado. A discussão foi feita sob a visão de que o modelo eurocêntrico se realiza ontológica e epistemologicamente, portanto o enfrentamento deve atingir essas dimensões. O estudo foi realizado no âmbito de um projeto sobre constitucionalismo brasileiro por meio de análise bibliográfica com levantamento em mapas de associação de ideias sob orientação da modernidade como resistência. E como resultado do estudo foi produzida narrativa analítica sobre racialização do projeto modernidade/colonialidade e indicação das resistências dos povos inferiorizados na América Latina e na África a partir de suas matrizes ontológicas e epistemológicas como constitucionalismo e etnodireito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Sueli Rodrigues De Sousa, Universidade Federal do Piauí

Departamento de Ciências Jurídicas e Programa de Pós Graduação em Sociologia - em Sociologia e Gestão Pública

Downloads

Publicado

2020-12-16

Como Citar

SOUSA, M. S. R. D. CONSTITUCIONALISMO E COLONIALIDADE: NOVO CONSTITUCIONALISMO LATINO-AMERICANO E O DIREITO DA PALAVRA DA TRADIÇÃO AFRICANA COMO RESISTÊNCIA NA MODERNIDADE. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 14, n. 2, p. 411, 2020. DOI: 10.22456/1982-6524.105018. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/EspacoAmerindio/article/view/105018. Acesso em: 27 jan. 2023.

Edição

Seção

ENSAIOS BIBLIOGRÁFICOS