Intertextualidade: considerações em torno do dialogismo

Autores

  • Ricardo Zani

Palavras-chave:

Intertextualidade, dialogismo, iconografia

Resumo

Este artigo tem a finalidade de contribuir para o reconhecimento do que se convencionou chamar por dialogismo, quando estudado por Mikhail Bakhtin através das obras do escritor francês François Rabelais e outros autores. As propriedades do dialogismo tornaram-se, posteriormente, focos de estudos para pesquisadores como Julia Kristeva, Robert Stam, Diana da Luz e José L. Fiorin, adquirindo também a denominação de intertextualidade e até mesmo de antropofagia, à medida em que um discurso, qualquer que seja este, remete-se a outros ao construir o seu nexo. Surgido no meio literário, o fenômeno dialógico ou intertextual pode ser aplicado à outras mídias como as artes plásticas, o cinema e a publicidade, enquanto estas travam um diálogo com diversas vozes (discursos), sendo perfeitamente reconhecidas, retrabalhadas e apresentando-se com desempenhos diferenciados de suas antecessoras. Como tal, o discurso dialógico é reconhecido quando uma relação entre vozes distintas é mostrada e não há uma necessidade de rompimento com seus modelos, influências e predecessores, ou seja, com a sua relação histórica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Zani

Bacharel em Artes Plásticas, graduado pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Mestre em Multimeios pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professor na Faculdade Montessouri de Educação e Cultura, na Faculdade Prudente Moraes e no Instituto Superior de Educação de Indaiatuba. Currículo Lattes

Downloads

Publicado

2006-12-09

Como Citar

ZANI, R. Intertextualidade: considerações em torno do dialogismo. Em Questão, Porto Alegre, v. 9, n. 1, p. 121–132, 2006. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/65. Acesso em: 16 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.