Crescimento, diversidade e sobrevivência: o conceito de vitalidade aplicado em um estudo cientométrico

Autores

  • Maria de Fatima Santos Maia Universidade Federal do Rio Grande
  • Sônia Elisa Caregnato Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.19132/1808-5245213.368-389

Palavras-chave:

Comunicação científica. Padrões de comunicação científica - Brasil. Ciências da Saúde. Cientometria.

Resumo

Aborda a estrutura e a dinâmica das atividades de produção científica na área das Ciências da Saúde no Brasil. Partiu-se do pressuposto de que a vitalidade da ciência pode ser identificada através de características sobre produtividade de autores, longevidade de instituições, diversidade temática e canais de divulgação. Por meio da identificação dessas características específicas, foram apontados indícios que representam diferentes graus de vitalidade. Analisando 117.521 artigos de autores brasileiros publicados entre 1987 e 2011 em periódicos indexados pela base de dados bibliográfica Medline, foram identificadas características de vitalidade em cada um dos 27 estados da federação. Os resultados revelaram que, na área das Ciências da Saúde no Brasil, há muita disparidade entre os estados e que os maiores graus de vitalidade científica estão localizados nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria de Fatima Santos Maia, Universidade Federal do Rio Grande

Possui graduação em Biblioteconomia pela Fundação Universidade Federal do Rio Grande (1998), mestrado e doutorado em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atualmente é professora do Curso de Biblioteconomia da Universidade Federal do Rio Grande - FURG. Tem experiência na área de ciência da informação, comunicação científica, estudos bibliométricos, processamento e busca de informação em saúde.

Downloads

Publicado

2015-12-24

Como Citar

MAIA, M. de F. S.; CAREGNATO, S. E. Crescimento, diversidade e sobrevivência: o conceito de vitalidade aplicado em um estudo cientométrico. Em Questão, Porto Alegre, v. 21, n. 3, p. 368–389, 2015. DOI: 10.19132/1808-5245213.368-389. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/59319. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >> 

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.