Aproximação e afastamento: a relação entre protagonismo e ambiência na imagem-ação brasileira contemporânea

Autores

  • Bruno Leites

Palavras-chave:

Imagem, cinema contemporâneo, violência, ação

Resumo

A violência no cinema brasileiro contemporâneo é tema recorrente e tem ensejado a concepção de diferenciadas imagens-violência. A mais constante delas é a violência como imagem-ação. Neste artigo analiso padrões em três filmes que concebem imagens-ação, para compreender sua estrutura básica. Observo que os filmes são concebidos sobre a polaridade de dois planos, protagonismo e ambiência. Os filmes fazem questão de delimitar claramente a distinção entre os planos e explorar o conflito entre eles como forma de gerar tensionamento na imagem. Analiso a relação entre os planos mencionados e proponho que entre eles há uma lógica de aproximação e afastamento. Observo, ainda, que o desfecho desta lógica ocorre pelo fortalecimento da separação entre os planos e a opção pelos finais em trânsito, que apenas parcialmente resolvem os conflitos na imagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Leites

Jornalista e pesquisador. Mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - linha "Mídias e Processos Audiovisuais". Graduado em Comunicação Social - hab. Jornalismo - pela Universidade Católica de Pelotas, e em Direito, pela Universidade Federal de Pelotas. Possui experiência em jornalismo cultural como produtor e apresentador do programa "Trilhas do Cinema", na Rádio Federal FM - Pelotas. Atua na área de Comunicação, com ênfase nos seguintes temas: audiovisualidades, Cinema nacional, estética da violência, jornalismo cultural e leis de incentivo à cultura.

Downloads

Publicado

2012-12-23

Como Citar

LEITES, B. Aproximação e afastamento: a relação entre protagonismo e ambiência na imagem-ação brasileira contemporânea. Em Questão, Porto Alegre, v. 18, n. 2, p. 199–213, 2012. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/26886. Acesso em: 4 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos