Eficiência de softwares nacionais e internacionais na detecção de similaridade e de plágio em manuscrito

Autores

DOI:

https://doi.org/10.19132/1808-5245284.123123

Palavras-chave:

plágio, similaridade e plágio, detecção de plágio, software antiplágio

Resumo

Este estudo visa identificar a eficiência de quatorze softwares de detecção de similaridades em um texto com fragmentos sobre educação financeira, encontrados em websites da internet, anais de eventos acadêmicos e revistas científicas de acesso aberto e restrito. Os fragmentos foram usados para elaborar um texto coeso, escrito em língua portuguesa, contendo reproduções textuais literais, paráfrases, com trechos traduzidos do idioma inglês, manipulados com inserção de caractere oculto e com substituição de palavras por sinônimos. Os relatórios de similaridade gerados pelos softwares foram analisados de acordo com quatro critérios: 1 identificação de fragmentos citados corretamente; 2 identificação de fragmentos plagiados; 3 identificação de textos manipulados para enganar o software; 4 identificação de fontes originais; os quais foram pontuados em uma escala de 0 a 4 pontos. Os softwares Turnitin, StrikePlagiarism, PlagScan e Plagium tiveram performance elevada e CopySpider e Plagium (complemento do Google) foram os mais ineficientes. Constatou-se que os softwares operam com eficiência variável, o que reforça a convicção de que embora sejam ferramentas úteis para a identificação de plágio, contribuem de forma limitada para aspectos como reconhecimento de reproduções textuais literais que nem sempre correspondem à fonte original. As fontes originais de textos reescritos, manipulados e traduzidos não foram encontradas por nenhum software. O estudo contribui para o aprimoramento da capacidade do usuário na escolha, uso e análise dos relatórios de similaridades gerados por softwares, cuja eficiência pode ser maior no caso da utilização de mais de um software.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Krokoscz, Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado

Pós-doutor em Ciência da Informação (USP), Doutor e Mestre em Educação (USP), licenciado em Filosofia (UNIFAI) e Pedagogia (UNIBAN), bacharel em Teologia (ASSUNÇÃO). Professor do Centro Universitário da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP) desde 2008, onde já atuou como coordenador da Comissão Própria de Avaliação (CPA), que teve prática premiada pelo Prêmio Nacional de Gestão Educacional e também foi coordenador do Programa de Iniciação Científica, tendo como principal êxito a elaboração do projeto para aquisição de bolsas de fomento de pesquisa para alunos da graduação junto ao CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). Atualmente, leciona Metodologia Científica nos cursos de graduação da FECAP. É autor dos livros Autoria e plágio: Um Guia para Estudantes, Professores, Pesquisadores e Editores e Outras palavras sobre autoria e plágio, ambos publicados pela Editora Atlas. Fundador do Instituto Antiplágio (www.institutoantiplagio.com.br) e editor do canal Marcelo.Krokoscz, no YouTube, que divulga conteúdo regularmente sobre o plágio acadêmico. Desenvolve pesquisas e apresenta conferências sobre autoria e plágio no processo de redação e publicação científica. Nas suas atividades como pesquisador, já teve trabalhos publicados no Brasil e no Exterior. No ensino superior é professor de Metodologia Científica e Raciocínio Lógico na Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP). Atua na Educação Básica há mais de 20 anos e desde 2015 é diretor do Colégio FECAP, escola de Ensino Médio e Técnico. Alguns destaques nesta tarefa foram: 1) aumento da captação dos alunos; 2) diminuição da evasão; 3) aumento da fidelização; 4) Implementação de projetos de inovação e; 5) Melhoria nos resultados acadêmicos dos alunos. Contatos: marcelix@usp.br supermarcelix@gmail.com marcelok@fecap.br

Referências

ABREU, R. M. Proposta de arquitetura para um sistema de detecção de plágio multi-algoritmo. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2011.

AMOS, K. A. The ethics of scholarly publishing: exploring differences in plagiarism and duplicate publication across nations. Journal of the Medical Library Association, Chicago, v. 102, n. 2, p. 87-91, 2014.

ASSOCIATION FOR COMPUTING MACHINERY (ACM). Acm policy on plagiarism, misrepresentation, and falsification. Broadway, 2019. Disponível em: https://www.acm.org/publications/policies/plagiarism-overview. Acesso em: 25 fev. 2022.

BARBASTEFANO, R. G.; SOUZA, C. G. Percepção do conceito de plágio acadêmico entre alunos de engenharia de produção e ações para sua redução. Revista Produção Online, Florianópolis, v. 7, n. 4, 2007.

BENNETT, R. Factors associated with student plagiarism in a post‐1992 university. Assessment & Evaluation in Higher Education, Oxon, v. 30, n. 2, p. 137-162, 2005.

CHAUDHURI, J. Deterring digital plagiarism, how effective is the digital detection process? Webology, Iran, v. 5, n. 1, p. 1-10, 2008.

CHRISTOFE, L. Intertextualidade e plágio: questões de linguagem e autoria. Campinas: Universidade de Campinas, 1996.

FACHINI, G. J; DOMINGUES, M. J. C. S. Percepção do plágio acadêmico entre alunos de programas de pós-graduação em administração e contabilidade. In: SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO FEA-USP, 11., 2008, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: USP, 2008. p. 1-14.

FOLTÝNEK, T. et al. Testing of support tools for plagiarism detection. International Journal of Educational Technology in Higher Education, New York, v. 17, n. 46, p. 31, 2020.

FOLTÝNEK, T; MEUSCHKE, N; GIPP, B. Academic plagiarism detection: a systematic literature review. ACM Computing Surveys, New York, v. 52, n. 6, 2019.

GOOGLE FOR EDUCATION. Use os relatórios de originalidade para procurar com rapidez e facilidade os trechos onde faltam citações das fontes. 2022. Disponível em: https://edu.google.com/products/originality. Acesso em: 25 fev. 2022.

GUPTA, D.; VANI, K. Study on extrinsic text plagiarism detection techniques and tools. Journal of Engineering Science and Technology Review, Greece, v. 9, n. 4, p. 150-164, 2016.

HANSEN, B. Combating plagiarism: is the internet causing more students to copy? The CQ Researcher, Thousand Oaks, v. 13, n. 32, p. 773-796, 2003.

HOUAISS, A. Eficiência. In: HOUAISS, A. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

INSTITUTE OF ELECTRICAL AND ELECTRONICS ENGINEERS (IEEE). Plagiarism levels and corrective actions, as taken from section 8.2.4.D of the IEEE publication services and products board operations manual. Piscataway, 2021. Disponível em: https://pspb.ieee.org/images/files/files/opsmanual.pdf. Acesso em: 25 fev. 2022.

ISON, D. C. The influence of the internet on plagiarism among doctoral dissertations: an empirical study. Journal of Academic Ethics, Dordrecht, v. 13, n. 2, p. 151-166, 2015.

JAY, R. Portal plagiat. Berlin, 2022. Disponível em: https://plagiat.htw-berlin.de/software-en/. Acesso em: 22 fev. 2022.

KAKKONEN, T.; MOZGOVOY, M. Hermetic and web plagiarism detection systems for student essays-an evaluation of the state-of-the-art. Journal of Educational Computing Research, Thousand Oaks, v. 42, n. 2, p. 135-159, 2010.

KOOCHER, G. P.; KEITH-SPIEGEL, P. Peers nip misconduct in the bud. Nature, Berlin, v. 466, n. 7305, p. 438-440, 2010.

KÖSE, Ö; ARIKAN, A. Reducing plagiarism by using online software: an experimental study. Contemporary Online Language Education Journal, Turkey, v. 1, p. 122-129, 2011.

LUQUINI, E. Uma proposta para promover a aprendizagem nas disciplinas de programação utilizando-se de redes sociais modeladas por técnicas de detecçao de plágio. São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2010.

MAURER, H; KAPPE, F. Plagiarism: a survey. Journal of Universal Computer Science, Austria, v. 12, n. 8, p. 1050-1084, 2006.

MAXWELL, A.; CURTIS, G. J.; VARDANEGA, L. Does culture influence understanding and perceived seriousness of plagiarism? International Journal, London, v. 4, n. 2, p. 25-40, 2008.

MCCABE, D. L.; TREVIÑO, L. K.; BUTTERFIELD, K. D. Cheating in academic institutions: a decade of research. Ethics & Behavior, Oxon, v. 11, n. 3, p. 219-232, 2001.

MICROSOFT. Check your document for similarity to online sources. 2022. Disponível em: https://support.microsoft.com/en-us/office/check-your-document-for-similarity-to-online-sources-6d942360-b5ca-445f-a84d-6e8c66fc40d2. Acesso em: 25 fev. 2022.

MUSSINI, J. A. Novas arquiteturas para detecção de plágio baseadas em redes P2P. Curtiba: Pontíficia Universidade Católica do Paraná, 2008.

NOORDEN, R.V. Science on the move. Nature, Berlin, v. 490, p. 326-329, 2012.

OLIVEIRA, A. M. Um método de detecção de plágio em códigos-fonte para disciplinas iniciais de programação. Manaus: Universidade Federal do Amazonas, 2016.

OLIVEIRA, M. M. Plágio na constituição de autoria: análise da produção acadêmica de resenhas e resumos publicados na internet. São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2007.

OPEN AI. GPT-3 powers the next generation of apps. 2021. Disponível em: https://openai.com/blog/gpt-3-apps/. Acesso em: 25 fev. 2022.

PASSOW, H. J. et al. Factors influencing engineering students’ decisions to cheat by type of assessment. Research in Higher Education, New York, v. 47, n. 6, p. 643-684, 2006.

PERISSÉ, G. O Conceito de plágio criativo. Videtur, São Paulo, n. 18, p. 9-19, 2003.

PERTILE, S.; MOREIRA, V.; ROSSO, P. Comparing and combining content and citation: based approacheds for plagiarism detection. Journal of the Association for Information Science and Technology, Hoboken, v. 67, n. 10, p. 2511-2526, 2016.

PERTILE, S. L. Desenvolvimento e aplicação de um método para detecção de indícios de plágio. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, 2011.

POTTHAST, M. et al. Overview of the 5th international competition on plagiarism detection. CEUR Workshop Proceedings, Germany, v. 1179, p. 845-876, 2013.

RIBEIRO, M. D.; VASCONCELOS, S. M. R. Retractions covered by Retraction Watch in the 2013-2015 period: prevalence for the most productive countries. Scientometrics, Dordrecht, v. 114, p. 719-734, 2018.

SANJALAWE, K.; ANBAR, Y. M. The Plagiarism detection systems for higher education: a case study in Saudi Universities. International Journal of Software Engineering & Applications, Australia, v. 8, n. 2, p. 33-49, 2017.

SCANLON, P. M.; NEUMANN, D. R. Internet plagiarism among college students. Journal of College Student Development, Baltimore, v. 43, n. 3, p. 374-385, 2002.

STANLICK, N. An open letter to faculty: some thoughts on plagiarism from “Colonel Cheatbuster”. UCF Faculty Focus, Orlando, v. 7, n. 4, p. 9-10, 2008.

VASCONCELOS, S. et al. Discussing plagiarism in Latin American science. Brazilian researchers begin to address an ethical issue. EMBO reports, Hoboken, v. 10, n. 7, p. 677-82, 2009.

VAZ, T. R. D. O avesso da ética: a questão do plágio e da cópia no ciberespaço. Cadernos de Pós-Graduação, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 159-172, 2006.

WEBER-WULFF, D. et al. Plagiarism detection software test. 2013. Disponível em: https://plagiat.htw-berlin.de/software-en/test2013/. Acesso em: 08 ago. 2022.

Downloads

Publicado

2022-09-27

Como Citar

KROKOSCZ, M. Eficiência de softwares nacionais e internacionais na detecção de similaridade e de plágio em manuscrito. Em Questão, Porto Alegre, v. 28, n. 4, p. 123123, 2022. DOI: 10.19132/1808-5245284.123123. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/123123. Acesso em: 8 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos